Comprar ou não na Black Friday

Tem um bom tempo que ignoro emails de promoção de lojas – muito porque não estou interessada no momento em gastar com roupas. Claro que também me dá a sensação de estar perdendo alguma promo incrível, mas, na real, estou perdendo MESMO?

Desde que comecei a enxergar muito mais potencial no meu armário com o que tenho eu fui acalmando meu coração sobre essas falsas necessidades que incutem nas nossas mentes – esse look mesmo eu montei com essa blusa que tenho há séculos e NUNCA tinha coordenado ela com alguma peça vermelha! Já tinha até pensado em doá-la ou vendê-la, mas a sua cor, super da minha cartela, sempre me fazia voltar atrás. Que bom que dei essa chance, porque já estou pensando em várias possibilidades com ela, apesar de ser de poliéster.

ana-soares-vermelho-rosa

Cardigan Farm comprado em brechó
Blusa espaço fashion
Calça Wymann
Brincos Trocando em Miúdos

Já aproveitei algumas Black Fridays, claro. Em 2013, eu comprei a minha bolsa preta bucket bag da Adô Atelier, que vocês já estão carecas de ver diariamente aqui, hahah. Foi uma compra tão boa, num valor tão bom, que, em 2014, eu comprei a versão dela em caramelo!

As que comprei, da mesma marca, mais para aproveitar a promoção do que necessariamente por entender que seriam mais usáveis, estão paradas no armário.

Desfiz o cadastro de vários emails de marcas. Além disso, deixei de acompanhar com fervor todas as novidades, para não entrar nessa de PRECISO DISSO

Acho que está todo mundo mais atento a algumas promoções fajutas, estilo compre pela metade do dobro, mas também nos deparamos com movimentos tão bacanas, como esse da Básico.com, marca que vende no online itens básicos de qualidade, que chamaram de Black Friday Transparente, em que dão três opções de valores para você escolher quanto pagar, sendo que o menor valor você paga o preço de custo da peça e o maior cobre os custos de transporte, equipe, impostos e comunicação. Achei muito pertinente essa estratégia, para mostrar o quanto de valor agregado tem nos produtos que consumimos e o quanto é ruim para algumas marcas aderirem a descontos maiores.

bf-transparente-2 bf-transparente

Ter consciência das nossas escolhas é fundamental para compreender o quanto um período desse de promoções que abarrotam as nossas caixas de emails podem ser prejudiciais ou não às suas finanças. Mesmo que gastar essa grana não vá te afetar tanto, acho válido pensar que passar grandes períodos de tempo olhando, pensando em aproveitar alguma coisa, mesmo que não esteja precisando, é igualmente ruim.

O melhor a se fazer é observar o que realmente vai fazer diferença no seu vestir e enxergar como oportunidade para fazer valer o custo x benefício. Por exemplo:

– Peças curingas que ajudem a criar liga com o que se tem e compor mais looks;

– Peças de tecidos melhores, mais frescos, etc;

– Roupas para ocasiões especiais, em que não se quer gastar muito (no meu caso, biquinis e maiôs, praias são ocasiões que frequento uma vez na vida outra na morte hahaha);

– Roupas de marcas que admiramos o trabalho e que têm a ver com nosso estilo ou com numeração que vista nosso corpo;

– Acessórios que ajudarão a compor looks;

– Sapatos confortáveis;

E, meus preferidos:

– Livros <3

– Coisas pra casa, como jogo de cama, toalhas, esses lances que precisamos repor de tempos em tempos

– Algum aparelho que esteja precisando (tv, ar condicionado, etc)

É bem impossível determinar o que se torna realmente interessante ou não para compras nesse período, mas é válido analisar mais se nossas escolhas estão sendo guiadas por nossas reais necessidade ou se estão apenas indo no embalo de um frenesi.

Compartilhe nas redes sociais
pinterest: pinterest
tumblr:
google plus:

Comente pelo Facebook

Comentários pelo blog

2 comentários

  1. Marina comentou:

    Estou me organizando justamente pra comprar o que preciso em casa (um ventilador de teto novo, um mixer) e só. Em anos anteriores já esperei pra comprar celular novo, pr exemplo, e sempre valeu a pena. Livro não compro muito pq já comprei um e-reader justamente numa black friday em 2014 hahaha

    Ah, e uma coisa que eu não perco é a Black Friday das Lojas Americanas (e lojas do tipo), pra comprar um pequeno estoque de tinta de cabelo, umas calcinhas novas, xampu, desodorante, creme dental, chocolate (pra aproveitar a viagem né hahaha), enfim, coisas que sempre ficam BEM baratas por lá e que eu vou consumir mesmo. Se eu fizer questão mesmo de aproveitar as vantagens do Black Friday, que seja pra comprar o que eu já precisava. A gente pode perfeitamente consumir e aproveitar essa época sem necessariamente se arrepender. É só se controlar um pouquinho e pronto, dá pra sair felizinha na boa.

    ps: que coordenação LINDA de cores nessa roupa!

  2. Anne comentou:

    Eu já me descadastrei de vários mailings de lojas, isso ajuda muito!! E só entro nas lojas online pra procurar algo que eu esteja precisando em específico, não fico olhando tudo sem foco também. Roupa tem que ser uma coisa difícil de comprar, tem que levar tempo, tem que escolher bem: olhar tecido, caimento, tamanho, cor, costuras… enfim, não é pra ser fast, é pra ser slow, não levar só porque tá barato. Só que hoje as pessoas estão num ritmo tão frenético de “tudo pra ontem”, tudo rápido, e a roupa também acabou entrando nessa onda. Acho que tá começando um movimento bem legal de desacelerar, e que tem potencial pra crescer muito! Fora que algumas marcas estão procurando mesmo essa conexão maior com as pessoas, qualidade ao invés de quantidade, fazer as coisas com cuidado e não só pelo lucro, enfim, tô otimista com o futuro 🙂