Enquanto me arrumo, ele sai de chinelo.

O cara tá lá esculhambado e a mulher linda, toda arrumada. Ele de camisa de time e chinelo, enquanto ela está com vestido de seda e maquiada. Tsc.

Reclamações creditadas às mulheres, seguidas de estereótipos que reforçam o quanto nos é cobrado cuidarmos da aparência dos parceiros. Eu já fui dessas, que não me conformava e ia passar correndo a camisa amarrotada do marido (sob protestos dele) ou pedindo para, ao menos, botar uma calça no lugar da bermuda. “O que custa andar arrumado ao meu lado, poxa. A camisa dele está amassada, o que vão pensar? Que eu não me importo?” Machismo latente.

ana-igor
Fotos: Renata Junot

ana-igor-2

Quando eu conheci Igor, eu escrevi: “não meço a régua dos outros pela minha; você é um indivíduo, né?”. Não é o tipo de resposta que se espera de alguém de moda, confesso, e ele sentiu alívio. E foi assim que eu me libertei: eu sou eu, ele é ele. Parece besta isso, mas o que eu quero dizer é que ele não é um acessório do meu look. Ele se arruma mais quando quer e eu tenho meus momentos relax, em que saio de short e camiseta.

Entendo a frustração de acharmos que eles não estão nem aí para nossos “esforços”, mas repara que isso é se vestir pro outro, para aplacar expectativas alheias, se importar com opiniões que nem sempre são verdadeiras, entrar num modelo de sociedade que vende o casal como um ser único e NÃO, estamos juntos mas ele quem sabe da vida dele e eu sei da minha e respeitamos as nossas individualidades. Apenas compartilhamos nossas vidas e nos apoiamos.

Eu não tenho que me vestir pra ele ou exigir dele porque estou arrumada; se eu me vesti mais elaborada foi porque EU quis e isso não diz respeito a ele. Ele não está desdenhando de mim se preferir vestir uma camiseta e tudo pode ser conversado. Respeito, carinho e afeto não são mais latentes em looks perfeitos. Eu prefiro muito mais ver as pessoas felizes, como elas querem ser, genuinamente – salvo as devidas proporções de ocasiões, claro e tudo pode e deve ser conversado, se te chateia pra valer.

(E uma observação necessária sobre esse tópico: quando falamos de homens brancos, em relação a pessoas negras, é notório perceber que é um privilégio sair mais desarrumado sem ter a preocupação de sofrer preconceito e violência por conta do racismo estrutural da nossa sociedade. E esse assunto também rende para casais homoafetivos)

Eu sei que é polêmico o assunto, que cada um sabe de si, mas não vou adicionar à conta feminina mais essa. Projetar no outro minhas expectativas não contribui no amadurecimento mútuo e nem me exime de mais uma carga mental. E eu prefiro leveza mil vezes mais do que alguém impecável.

texto originalmente publicado no meu instagram – quem quiser clica pra acompanhar a repercussão que rendeu por lá!

Compartilhe nas redes sociais
pinterest: pinterest
tumblr:
google plus:

Comente pelo Facebook

Comentários pelo blog

9 comentários

  1. Anna Camila comentou:

    Que delícia essas fotos! Os dois exalando cumplicidade e felicidade!!!
    <3

    1. Ana Carolina respondeu Anna Camila

      ahhhh obrigada querida <3

  2. Denise comentou:

    Mais ou menos, né?
    Sei que carioca é mais informal mas, cá entre nós, quando a gente sai para uma noite especial, capricha, e o maridão não está nem aí, o clima cai, não é mesmo?
    Tem que haver momentos especiais, lugares especiais, roupas especiais, para os dois.
    Não que coisas especiais não possam acontecer quando a gente está de bermudas e chinelos, mas uma caprichada, um perfume gostoso, uma dança especial, isso tem o seu valor e não tira a personalidade de ninguém

    1. SAMANTA DE CAMPOS BUENO respondeu Denise

      Falou tudo!!

  3. Bruna Lemes comentou:

    Eu sempre disse isso pro meu marido: “não põe essa camiseta tão amarrotada… vc não liga, mas ngm vai dizer que vc é um relaxado. todo mundo vai dizer é que a sua esposa é uma relaxada.”

    Na verdade, EU GOSTO de ser dona de casa, de cuidar bem das nossas coisas e isso inclui nossas roupas. Mas tem quem não goste e realmente é uma carga injusta sobre a mulher que não gosta e totalmente desnecessário esse julgamento. Eu mesma já julguei muitas mulheres por causa disso. “Poxa, porque a fulana deixa os filhos saírem tão mal vestidos? Olha a situação do marido da beltrana, ela deve ser uma esposa ruim.”

    Obrigada por me fazer perceber, Ana.

    1. Ana Carolina respondeu Bruna Lemes

      Estamos todas juntas nessa, bruna! <3

  4. Olá td bem? Amei seu post,seu conteúdo esta muito bom. Vou acompanhar o blog ,Sucesso 🙂

  5. Mariana comentou:

    olha, eu não implico em situações que eu acho que aceitam o desleixo. vamo pro cinema? pode ir do jeito que quiser. inclusive eu costumo ir desleixadíssima. muda de figura quando a gente vai, sei lá, pra um aniversário em um restaurante arrumado. nesse caso, acho o desleixo indelicado com quem chamou. pelos mesmos motivos acho uó homem desleixado em casamento, formatura… poxa, quem te chamou arrumou tudo e teve a consideração de te chamar, não vai te matar colocar um sapato em vez do chinelo nem usar calça social em vez de jeans. e convenhamos que MUITAS vezes mulher reclama disso mesmo. não é “você usa havaiana”, é “você usa havaiana PRA TODO CANTO NÃO IMPORTA O LUGAR OU A OCASIÃO”. Dai acho paia dizer que é neura feminina, sabe? ou mesmo a versão desconstruída de que “o problema são as expectativas desproporcionais sobre a mulher”. Nesse caso eu acho que o problema é o privilégio masculino de achar que as coisas têm de ser do jeito que eles querem/acham conveniente e pronto, acabou, não precisa pensar em mais nada ou ninguém. ninguém acha etiqueta e educação ruins quando é pra dizer por favor e obrigada, pq acha quando etiqueta significa que o cara vai ter que colocar uma calça? por favor. meu avô tinha o costume de ir de calça social pro trabalho até morrer, e olha que ele ia andando no calor de uma cidade nordestina. sério, você aguenta ir pra um ambiente climatizado de calça também, eu JURO. implicância à parte (hehe), eu acho que tem a ver com a pouca familiaridade com moda do homem também, eles acabam não tendo vocabulário nem entendimento pra expressar a identidade através da roupa de uma maneira adequada às ocasiões (tipo, não sabem que dá pra comprar umas bermudas mais arrumadas de tecido e colocar sapatos mais bonitos pra compensar que não estão de calça, por exemplo). e também o fato de qualquer atenção maior à aparência aqui é “coisa de viado”. mas acho que já é tempo dos caras se ajeitarem: século xxi, deve ter um tutorial de youtube te ensinando o básico aí. inclusive pq no mundo do instagram, estar mal vestido e deslocado prejudica a imagem do cara, não a minha.

    1. Ana Carolina respondeu Mariana

      Concordo com vc, Mariana. Também acho, mas o que tento fazer um pouquinho com esse meu texto, é, que não passemos pras nossas contas de cargas mentais a preocupação com homens que não estão entendendo isso tudo que você escreveu aí. Eu não vou mais desenhar pra eles. Se virem, mesmo!