Desencantos, ou a história da roupa que encolheu

Consumir moda pode ser uma faca de dois “legumes” muito da cruel. Encantamento na vitrine, amor à primeira curtida no instagram; a necessidade é tanta que ligamos pra todas as lojas, percorremos os sites, fazemos lances em sites de segunda mão.

Meus encantamentos eram mais contidos quando eu ganhava menos. À medida que comecei a ter um salário um pouco melhor, eles ficaram sem muito critério – comecei a pensar, caramba, não preciso mais impor tantos limites! Comprar é sedutor, você se sente meio poderosa saindo de uma loja descoladinha com aquela sacola em mãos. Abre o armário e suspira de emoção ao observar as suas ~conquistas~.

Sabemos que é ilusório. E nem falo somente da tecla de comprar menos e melhor, de perceber o que funciona de verdade pra gente e nosso estilo de vida. Também não me refiro àquela conquista de quem tem mais dificuldade por conta da imposição de tamanhos da indústria.

Ter coisas pode parecer incrível naquele momento, mas mantê-las pode ser frustrante. Estocamos roupas como se esperássemos seu desmantelo a qualquer instante. Ficamos temerosos no dia que ela nos falte – vai que manche, vai que suje, vai que rasgue, assim já a substituo prontamente. Um de cada cor, uma cor de cada modelo!

Com isso, compramos coisas para usarmos poucas vezes – muitas, nem uma. E, vejam só vocês, mais uma notícia ruim: essas mesmas coisas, compradas para alguma emergência ou substituição, também possuem seu prazo de validade. Dentro do armário elas criam manchas, juntam traça, alimentam o mofo e se desintegram.

Qualidade. Essa palavrinha ilusória, parece que bate na cara com nosso dinheiro e sem dó. Com força. Se antes tudo tinha qualidade para evitar gastos supérfluos, as palavras de ordem, hoje, são a obsolescência planejada e a margem de lucro, não importa às custas de quem (de vidas, de trabalho forçado, de materiais danosos pra natureza).

E quando compramos algo que desejamos MUITO e aquilo não dura uma noite, o sentimento é de frustração. Mas era de marca. Mas eu confiava. Paguei uma grana e já estragou. É dureza se sentir assim, sem saída. Tempo e dinheiro jogados fora em troca de uma costura mal feita, um tecido que dá bolinha, um sapato que descasca em pouco tempo.

Me senti assim recentemente com esse blazer. Vocês lembram dele? Comprei na liquidação. Usei muito, muito, demorei vários meses até lavá-lo. Li as indicações na etiqueta: lavar à máquina, beleza. E aí vem a triste constatação ao vesti-lo: encolheu!

blazer-depois
O blazer, que tinha uma proposta larguinha, com mangas super folgadas, ficou assim, com tudo mais curtinho. Desculpem a foto tosca.
blazer-antes
O blazer antes: eu precisava dar dobras e mais dobras nas mangas para que não cobrissem minhas mãos!

Fiquei tão surpresa e tão triste, que pensei que o erro havia sido meu, por ter lavado em casa. Conversei com a engenheira têxtil Manuella Antunes, e ela explicou que o erro foi na ausência de testes com o material, ainda na pré-venda. A fibra não devia ter qualidade, passou por processos químicos com a estamparia e encolheu com a reação do sabão e da água, coisa que deveria ter sido constatada em testes ainda na produção.

Ainda não possuo um detector à prova de desencantos, mas sinto que uma saída seja aproveitar mais o que possuo e desejar menos. Me arriscar mais com minhas ideias e tentar menos ser óbvia. Se rasgou? Tentar consertar. Não tem jeito? Aí penso na substituição, se ela for realmente necessária, útil, única. Mas será que era mesmo tão importante assim? Será que já não tenho parecido?

Poderiam ser perenes, mas são facilmente substituídas. Ou melhor ainda, ficam guardadas esperando algum milagre ou (tomara!) uma oficina de upcycling, serem cerzidas, transformadas em outras por mãos habilidosas.

Mas é difícil esperar. Não temos mais tempo pro conserto da costureira, pro ajuste manual. Quando queremos aquele colete branco, corremos vitrines, sites, shop guides, o diabo para consegui-lo. Compramos vários até chegar naquele ideal. Esperar, quando se fala em moda e tendências, é fatal. Se demorar mais de um mês, capaz de nem estar mais em alta; e sendo assim, do que valeria tanto esforço?

Eu queria muito alguns tênis. Comprei um Keds, um Adidas e um Converse em super promoções, ganhei um da Vert, comprei um Superga também baratinho. Uso demais o Adidas. Uso nada os outros. E, talvez, todos durem o mesmo tempo, igualmente – vão amarelar, apodrecer, fissurar, esfarelar.

Falsa necessidade. Vontade camuflada de querência, de consumismo descabido. Não vou julgar meus momentos, mas não faz sentido ceder a mais. É mais justo e possível usar tudo que tenho, variar mais os modelos, fazer valer o que foi investido. O espaço ocupado por todos eles na minha casa. No meu tempo ao tirar a poeira. O tempo da minha vida.

Mesmo tomando cuidado, estamos em movimento, tudo pode acontecer. O apego só nos deixa mais apreensivos, nos impede de usarmos mais aquilo que gostamos. Infelizmente não conseguimos prever o tempo útil dos nossos pertences, mas eu espero que, até lá, eu consiga ser muito feliz vestindo minhas roupas mais queridas.

Compartilhe nas redes sociais
pinterest: pinterest
tumblr:
google plus:

Comente pelo Facebook

Comentários pelo blog

44 comentários

  1. Fernanda da Silveira Magalhães comentou:

    Ai, Ana, aconteceu com 2 vestidos da Totem q foram caros, o pior é q vestido quando encurta não rola, agora só com calça por baixo, virou legging. 🙁

  2. Renata comentou:

    Oi Ana!
    Farm ne???
    Adoro a marca mas é tao descartavel q dá raivinha gastar dinheiro la…
    Bjs

  3. Thaís comentou:

    Gostei mt do texto e da reflexão, tenho tentando adotar uma lógica pra comprar… Já tenho algo parecido, então não compro, não preciso de mais um tenis, mais uma regatinha nesse estilo, se é pra comprar, procuro agregar algo que ainda não tenha no meu guarda roupa e que ache que eu vá usar a longo prazo. É difícil resistir a promoções pra comprar coisas que não precisamos, mas é um exercício diário. Seus textos ajudam muito na reflexão. Obrigada!

  4. Érika comentou:

    Farm é porcaria, e o pior é que as pessoas sabem disso e continuam joagando seu dinheiro lá. Uma pena!

  5. Marcella comentou:

    Esta eh a historia da minha vida: tenho ate jaqueta de couro de vdd que ficou horrivel!! 🙁 To tentando agora arrumar o que da e vender (mesmo que por uma mixaria) o que ta parado…..Temos que pensar mais antes de passar o cartao de credito, ne? Nao tem jeito, ne?

  6. Marinês comentou:

    Amei a reflexão. Eu tenho muito disso, medo de usar a roupa mas no fim ela fica guardada, estraga, mudo de estilo e nem aproveitei o que eu comprei.
    Tenho ensaiado a muito tempo mudar isso e como todo processo leva tempo, o meu tempo, mas com esse texto me senti mais motivada de usar as roupas guardadas com tanto zelo.
    Outra coisa que me identifiquei foi a questão dos tênis, sempre usei muito no dia a dia e me peguei querendo comprar mais, mesmo eu já tendo um no modelo que eu queria. No fim vou continuar usando o mesmo e os outros juntando poeira.
    Ultimamente quero usar as minhas coisas até o fim antes de trocar, lógico que não sou de ferro e vira e mexe quero comprar algo que provavelmente já tenho parecido no armário.
    Obrigada por dividir seus pensamentos e pescar do meu inconsciente sentimentos guardados tais quais minhas roupas, porque no fim o que está fora é só um reflexo do que está dentro.

  7. Silvia Orchidea comentou:

    Oi Ana, é duro gastar $$$ e acontecer uma dessa.
    Outro dia observando um programa inglês de decoração…Os armários são, geralmente, de duas portas!!!
    Onde eles guardam tuuuudoooo? Não guardam …pq não compram como nós!!. Creio q é problema cultural da América latina 🙂 comprar comprar comprar!!!
    Assim, já tem um tempo, precisamente 12 meses, que não compro abolutamente Nada de roupas e acessórios!! Meu armário tem ” moda” demais..
    Uso e reuso e ainda tem ” moda”…

    Qto a ” qualidade” das roupas q estão no mercado e fazendo nossos olhos brilharam…não é só privilégio da Farm, outras do mesmo naipe tem dado, há muito, escorregadas nesse item.
    Resta ver na etiqueta se assinala pre- lavado, senão, cuidado!

    Posso desejar à todas…um bom dia e Resistam!!! 🙂
    Bjs
    S.O.
    Rio

    1. Juliana respondeu Silvia Orchidea

      Silvia, na verdade a gente importou o modelo norte-americano de consumo, meio desemfreado mesmo. Morei em Paris por 3 anos e os armários são absolutamente micros, e é pra guardar roupa do ano inteiro (inclusive casacos volumosos de inverno, edredom, roupas de cama e banho etc).

      1. Silvia Orchidea respondeu Juliana

        Oi Juliana. Grata pela info. Imagino esses armários… Como VC falou q guardam de um tudo. Limpo e usado. Ergh!! Higiene zero!!
        Bjs.

        1. Juliana respondeu Silvia Orchidea

          Desculpe, mas não acho nojento – assim como eu não guardava roupa suja no meu armário grande no Rio, nunca guardei roupa suja no armário em Paris, ou no apartmaneto onde eu moro hoje, que também tem um armário pequeno. É só uma questão de organização 🙂

  8. Adriane comentou:

    Depois que conheci meu namorado a minha relação com consumo mudou muito.Tanto com roupas quanto com objetos de casa,decoração etc…Tudo fica tão prático na hora da limpeza ou de uma mudança que achei tão sensacional esse “minimalismo” não tão radical,claro.O meu dinheiro é suado pacas e quando olho na nota fiscal os impostos que eu paguei em uma blusinha,putz! Me sinto a fútil em pessoa.Eu quero viver cada vez mais com menos.A vida fica menos pesada.

  9. Letícia Ohanna comentou:

    Ana! Recentemente uma blusa minha de duas partes manchou (eu já tinha há uns 2 anos e não usava com pena de estragar), eu fique super arrasada, ainda mais porque a parte de fora estava perfeita, então tive uma ideia, a parte de dentro é que tinha manchado e era feita de cetim elástico, vou descosturar e comprar o tecido para fazer a parte de dentro de novo que é bem fácil.

    O que eu to dizendo é: se é sua peça favorita da vida, acho que uma costureira tiraria o molde desse tamanho menor e a partir da foto antiga montaria seu blazer de novo com um outro tecido <3

    Beijos!

    1. Juliana M respondeu Letícia Ohanna

      De certa forma concordo contigo.

    2. Ana Carolina respondeu Letícia Ohanna

      eu tenho outros que amo 🙂 só achei muito absurdo isso.

      1. Letícia Ohanna respondeu Ana Carolina

        Sim! com certeza é um absurdo!!! Dá até dor no coração mesmo rsrs 🙁

      2. Carla respondeu Ana Carolina

        Vocês não vão até a loja reclamar não? Ouxe, neste caso, até foto tem. Se não reclamarem, eles nunca vão mudar.

        1. Ana Carolina respondeu Carla

          Carla, eu fui mas quero ir na perto de casa tentar deixar pra análise. De qq maneira, não sou consumidora da marca, porque o q já comprei deles, se desfez. Esse blazer foi exceção.

  10. Raquel comentou:

    Muito bom o texto…é isto mesmo, marcas que confiávamos e nos sacrificávamos para obter as peças por julgar que durariam mais … tudo ilusão…também me decepcionei com várias marcas. Tanto discurso de sustentabilidade e nada de prática, só visam lucro, sem medir consequências. Retrocesso total. Triste. Muito triste.

  11. Juliana M comentou:

    Fazer outa peça com o blazer não rola Ana?
    A estampa é tão bonita,dar camisa,bolsa,sei lá,se gosta procure uma nova alternativa para utilizar essa peça.
    Boa-sorte!

    1. Ana Carolina respondeu Juliana M

      Ju, ainda dá pra usar! mais justinho agora, rs, mas ainda dá 🙂

      1. Day respondeu Ana Carolina

        Hehe Ana, eu tenho esse mesmo Blazer, e outros iguais porém com diferentes estampas. Sou grandona e em mim eles ficam sempre na sua ” versão encolhida”.
        De resto texto maravilhoso, ótimas reflexões! Além de linda e fashion és muito inteligente. Beijos e ótimo feriado pra ti!

    2. Juliana M respondeu Juliana M

      Correção:Outra

  12. Maria Donatelli comentou:

    FARM. Adorava a uns 7 anos atrás, quando as peças ainda tinham qualidade e preços amigos.
    As peças atuais são lindas, mas a qualidade é ruim (2 vestidos encolheram) pelo preço cobrado. Uma pena!

  13. Ma comentou:

    Ana, MUITO OBRIGADA por esse post. Eu estava precisando ler um blog assim… Que faz a gente pensar, que faz a gente saber mais onde gastar (ou melhor, saber não gastar)! Cheguei a um ponto da vida em que não tenho mais onde guardar tudo que compro, em que final de mês é um perrengue para fechar as contas… E tudo por causa dessa doença do consumo! CANSEI de blog que dia sim, dia não, a blogueira vem falar na nova tendência e logo depois manda o “onde comprar” (tudo a 3 e 4 dígitos… MUY AMIGA). Em que toda semana lançam um batom quase igual ao da semana anterior, mudando apenas um detalhe… CANSEI! Estou aprendendo a me controlar com muito esforço (e por necessidade), parando de passar o tempo com esse tipo de leitura que só estimula nosso consumo e só dá lucro para quem vende e anuncia. Continue ajudando a gente e compartilhando suas reflexões! Existem muitas de nós que precisam delas!

  14. Marcia Lo Fiego comentou:

    Ana querida, amei o texto! Eu também devo muito às tuas reflexões sobre consumo consciente, estou muito mais equilibrada e agora só compro quando preciso, há quatro meses não compro nada e olha que pra mim é um record, em tempos de vacas gordas comprava toda semana….muito obrigada!!! Bjs 😉

  15. Andréa comentou:

    Li cada linha, perfeita dissertação. Concordo com tudo que disse, a gente dá muito valor em parecer. Ok se pode comprar, mas precisa? Eu ando precisando e, mesmo não saindo muito, gosto de me vestir adequadamente, me expressar. Mas tudo é um ciclo. Não invisto em modinha, se é moda de estação compro baratinho em loja fast fashion. Se é clássico, invisto um tanto a mais porque é atemporal. Mudei muito meu estilo, e você tem parcela de culpa nisso rs
    Obrigada por sua colaboração em lapidar a qualidade de nossas escolhas, porque damos ouvidos a você, que tem sido sensata sempre que aparece por aqui.

  16. Jr comentou:

    Bixa, se eu fosse vc, cortava as mangas e usava como colete, ficaria lindo.

    1. Ana Carolina respondeu Jr

      Gostei da ideia!

  17. Renata comentou:

    Ana, também me desencantei com a farm. Mesmo comprando algum produto na liquidação (no meu caso uma saia), são peças que acabam saindo caro, porque estragam com pouco uso (nem lavei e já está desgastada na costura). É uma marca superestimada e hypada, mas que não tem qualidade. Acaba não sendo tão diferente da roupa que vendem na feira, com o agravante de que vc acha que está comprando algo que vai durar mais.

  18. Flávia comentou:

    Li o post ontem, amei! Infelizmente, também já passei muito por situações como essas… Namorar uma peça, comprar e perder quando lavo. A questão é que eu lavo a roupa antes de usar, assim que chego da loja. Não uso antes de lavar. Por isso, quando a roupa encolhe, vou direto na loja onde comprei e troco ou pego meu dinheiro de volta. Passo raiva? Passo! Já tive que ir ao PROCON? Já! Mas não deixo passar! E se vejo que é algo recorrente, que é um problema de (baixa) qualidade da marca, me seguro e não compro mais, nem em liquidação! O problema é já estou ficando sem opção de marcas. Triste!!!

    1. Ana Carolina respondeu Flávia

      Flavia, eu também lavo antes, mas esse foi na empolgação e esqueci. Essa tática é ótima, se eu não tivesse esquecido teria tido tempo de pedir pra ir pra análise 🙁

  19. Patricia Teixeira Branco comentou:

    Ana,
    Nossa, quantas marcas estão assim, né? com a qualidade muito ruim…participava de um grupo de meninas que gostam da Antix, mas todo dia tinha várias reclamações dos vestidos, de gente que pagou 400 reais em um vestido e estava numa festa, e rasgou…imagina a situação! Usam tecidos vagabundos, costura com um mínimo de tecido pra poder ajustar, e rasga com facilidade? e o incrível é que as pessoas gastam muita grana mesmo sabendo dos problemas, que nem sempre a marca se dispõe em ajudar.
    Na Farm, o que eu tenho, nunca passei por isso, mas vejo algumas reclamações, mas é triste esse tipo de situação, dá um misto de raiva, de chateação…
    Lembrei da Maria Bonita Extra, que pena que não tem mais! Pagava-se caro, caro, mas as roupas sempre impecáveis…me resta ficar de olho no Enjoei e garimpa essas roupas, viu?
    Beijos

    1. Ana Carolina respondeu Patricia Teixeira Branco

      saudade mesmo da mbe, Patricia 🙁

  20. Rose Damas comentou:

    Oi Ana, essas reflexões sempre são pertinentes para o nosso momento atual.
    Menos coisas, mais momentos 😉

  21. Rose comentou:

    Ana, eu amava esse blazer. Da Farm. Absurdo isso. Tb comprei um vestido da Karamello que encolheu tb.

  22. Thamy comentou:

    Ana, tudo bem?!
    Não tem nada a ver com este post, mas assisti o programa que você gravou para o GNT… é muito amor, né?!
    Sou fã!!!
    Você poderia gravar mais uns vídeos pro blog tbm, né?! Sei que é super trabalhoso e tudo mais, mas quem sabe você consegue algum dia despretensioso =)

    Sucesso sempre!

    1. Ana Carolina respondeu Thamy

      Ehhh vou postar amanhã aqui, Thamy! Obrigada! 😀 Eu queria muito, mas é tão dificil trabalhar como estou agora e ainda gravar e editar 🙁 Juro que tentei, mas em 2017 podem rolar umas versões menores! 😀

  23. Paula comentou:

    Ana muito bom o post!
    Não lembro se comentei por aqui sobre uma regata da Farm que comprei no outlet premium. Quis pq quis a blusa pq ela fazia um mix de estampas lindo com a saia que tinha loja (comprei para usar em um atendimento no shopping com a turma de consultoria).
    Cheguei em casa e só passei uma água com pouco sabão no maior cuidado do mundo (sempre lavo todas as roupas antes de usar), quando me dei conta a blusa off white com poas pretos…ficou toda manchada!!! A própria estampa manchou a peça e sem contar que devia ter algum furinho que abriu muito quando lavei.
    Chorei muito! Pq comprei tudo pensadinho em como usar para esse evento. Alguns dias depois minha mãe foi na msm loja e não tinha igual para trocar e nem nd q eu gostasse…depois de alguns dias fui no Iguatemi de Campinas e troquei por uma igual correndo o risco e deu tudo certo. Tinha enviado e-mail reclamando e etc…foram atenciosos em relação a troca, mas foi uma correria muito chata por uma peça que não vale nem o valor que paguei com 50% de desconto! Uso pouco a blusa com medo dela estragar =/
    Tenho juntado peças em uma sacola para pequenos reparos, costura que se desfaz, ajustes que hoje julgo necessário para não gastar ainda mais com novas peças e dar mais um tempo de vida útil para as que eu já tenho e estou fazendo reposições de peças que senti muita falta como uma jaqueta de couro sintético que durou 5 anos, acabei comprando outra em uma promoção muito boa no outlet premiun mesmo sabendo que vai demorar um pouquinho para conseguir usar! rs
    Sua participação na GNT foi ótima, adorei como você explicou!
    Beijos

    1. Gabi respondeu Paula

      Aconteceu a mesma coisa comigo, mas foi uam calça pied de poule..lavei a primeria vez ( à mão e no tanque!!)e a propria calça se manchou..gente, como pode? perdi a calça sem sequer usar…Fiz de tudo, deixe de molho no sal, lavei com alcool, lavei so com agua gelada…Nada deu certo, e senti uma trouxa.

      Outra marca que me deixou na mão foi a GALA, marca super hypada de camisetas que não valem 1 real. Paguei 100 reais num Tshirt branca que depois da primeira lavagem ficou mais feia que blusa de pijama! cheia de bolinhas e esgarçada na gola…Escrevi para a marca e sequer me responderam

  24. Ana Carolina Soares comentou:

    Ana, tive o mesmo problema com um vestido da Farm. Comprei e amei. Ficou ótimo no corpo. Li as especificações da etiqueta, mas na primeira lavagem também encolheu e de um jeito que nem passava nos ombros. Minha mãe que é costureira me explicou a mesma coisa. Não testaram o tecido antes. Aparentemente tem sido algo comum na marca. Triste.

  25. paola comentou:

    É da Farm ne? Já tive blusa de lá que deformou na primeira lavagem. Mandei pra análise e trocaram…

  26. Fernanda Santos Silva comentou:

    Olha, eu sempre tive meio fetiche pelas roupas da farm e as namorei durante anos até conseguir ter renda p comprar. E hj, dezenas de roupas da marca depois posso te dizer q provavelmente não compra mais um alfinete lá pq acho q eles andam tirando uma com a nossa cara em vender roupas tão vagabundas por um preço tão alto. Duas blusas q eu comprei puíram na primeira lavagem e aquela estampa linda q eu paguei o olho da cara ficou parecendo chita das mais chumbregas. Minha última compra foram 6 peças do ecomerce deles q quando recebi quase cai p trás com a falta de qualidade. Duas croppeds q teoricamente seriam de linho, vieram com um textura tão dura q arranhou minha pele e o suéter veio cheio de fiapos e aspecto de velho. E com uma coisa q me intrigou muito foi o fato dele vir com a etiqueta escrita MADE IN CHINA. Como assim?! Não era tecnologia, pesquisa, design e mão de obra 100% nacional?
    Sério, depois dessa nunca mais!

  27. Soninha comentou:

    adoro a Farm, tenho algumas peças, mas compradas no bazar do site …… muitas vezes a qualidade não é lá essas coisas e pior: como não tem loja aqui na minha cidade só compro pelo site.
    E quando recebo a coisa não é igual ao modelo que vi no site.
    Parece roupa de desfile: na passarela pro desfile é uma coisa e na loja é outra.
    A impressão que me dá é que eles fazem umas peças bacanas pros desfiles e fotos no site.
    Na hora da produção em grande escala é um similar de qualidade mais baixa. Só pode !
    Triste né ?!!

  28. Camila comentou:

    Achei o texto minha cara, tenho apegos à algumas roupas e evito usar por medo de acabar logo,as vezes acabo comprando logo duas iguais pra não ter problema… Comprei duas peças lindas de crepe na shoulder, aconteceu a mesma coisa, lavei conforme as instruções da etiqueta e encolheram, fiquei triste com a marca por não fazer testes antes.