Assisti a série da Marie Kondo na Netflix

Quer dizer, estou assistindo –  hoje concluo a maratona dos oito episódios de Casa Arrumada, Tidying Up with Marie Kondo, na Netflix, série que estreou ontem, com a japonesa best seller de vendas com seu livro A Mágica da Arrumação, que criou um método (batizado de KonMari) para arrumar e organizar objetos em 4 categorias, tudo baseado no “spark joy” ou, traduzindo, o que traz alegria pra gente. Marie visita as casas de diversas famílias nos EUA com a missão de propor a elas um novo estilo de vida ao organizarem suas casas caóticas. Gostei principalmente porque é uma série sobre reconectar-se com você mesmo, com quem você ama e com seu lar.

Ver Kondo em ação já trouxe alegria instantaneamente, porque ela é fofa demais, gente! =D Já chega sorrindo e toda efusiva na casa dos americanos, que ficam embasbacados com essa boa vibe dela. Não faz uma careta, nem uma cara de espanto ou reprovação e dá pra ver que não se trata de estar na frente das câmeras. Todo o seu discurso é amoroso, afetuoso, cheio de empatia e carinho. Ela senta sobre os joelhos (como os japoneses sentam mesmo) no chão de cada casa que visita para agradecer o espaço por acolher aquela família. Ainnnnnnnn, é muito amorzinho!

Sério, eu aprendi muito com a série. Gostei demais da forma como Marie lida com as situações, sem repreender, sorrindo, se emocionando (em vários momentos ela se diz conectada às pessoas do episódio, ou então emocionada), de pedir que agradeçam aos objetos e de tratá-los com respeito, tudo isso sem deixar escapar uma sobrancelha levantada ao observar a bagunça alheia – pelo contrário, ela dá gritinhos dizendo que ama uma zona, hahaha! É assustador também ver as montanhas de roupas e pilhas de acúmulos das pessoas.

marie-kondo

E todas as vezes que comentaram que a casa dela deveria ser perfeita, ela mesma se coloca como alguém que também faz bagunça e que sente preguiça e deixa pra arrumar tudo só no dia seguinte. O que ela observou também é como eles têm espaço e até comenta que as cozinhas japonesas têm metade do tamanho das norte-americanas, somando-se ao fato deles lá em cima ainda serem o templo do consumismo, enquanto os japoneses seguirem mais a linha minimalista (nesse caso é observação minha).

De início achei que teriam mais dicas sobre organização, mas depois vi que eu já tinha todas elas no segundo livro de Marie, Isso me traz alegria?, que é um guia ilustrado da mágica da arrumação, além do canal dela no Youtube, por isso foquei mais em observar as mudanças e depoimentos de quem passava pelo seu método, que é simples e aproveita muita coisa do que já temos para organizar, como caixas vazias de sapato.

Você fica tão contagiado pelas transformações pessoais de cada participante que, entre um episódio e outro, eu fui arrumar mais coisas que estavam em desordem aqui em casa, hahaha! Ataquei o cesto de roupa suja (sério, tinha coisa lá esquecida) e minha estante de livros e revistas – separei alguns itens para reciclagem, descarte e doação, só sentindo essa se eles me traziam alegria ou não.

revistas-ana
Minha pilha de doação de revistas e livros pós-Marie Kondo na Netflix, hahaha!

Para quem está precisando de um leve choque de realidade e motivação extra para organizar a casa e evitar acúmulos futuros, super recomendo assistir! 🙂 Me contem aqui depois o que acharam!

Compartilhe nas redes sociais
pinterest: pinterest
tumblr:
google plus:

Comente pelo Facebook

Comentários pelo blog

14 comentários

  1. Lais Barbalho comentou:

    É engraçado como a série meche com a gente né? Eu já tinha lido os 2 livros dela e apesar de gostar muito do método, nunca botei nada em prática. Comecei a assistir dia 1 e depois de 4 episódios já tem uma sacola de roupa pra doar e as gavetas da minha comoda foram todas arrumadas, tudo dobrado e guardado do jeito que ela ensina! rs

  2. Renata comentou:

    Só de ler o post já achei tudo uma delícia hahhahah
    Amo vídeos de organização e apesar de saber que tinha esta série, ainda não vi.
    Tô pensando em convidar minha mãe (bagunceira hahhaah) pra assistir e dar um ânimo.

    Beijoss

  3. Eve comentou:

    Eu li o primeiro livro dela e apesar de ser super desapegada ainda assim destralhei muita coisa. E estou assistindo a série também, realmente uma delicia de assistir, ela é super fofa parece uma bonequinha.

  4. Sandra Maria Tieppo comentou:

    Ana, amei a dica. Não gosto de filmes, séries e etc, mas assisti dois episódios seguidos da série da Marie Kondo e já comecei a organizar meus sapatos…hehehe
    Adorei. O post, como sempre, está ótimo.
    Beijos

  5. Jande comentou:

    Eu estou amando a série. Ela é maravilhosa e nos faz refletir como somos acumuladores. Ainda em choque com a participante que tinhas vários quartos entulhados de roupas e é uma compradora compulsiva.

  6. anna comentou:

    ana, que legal você comentar sobre a série…. 2018 foi o meu ano do desapego: doações, enjoei, olx, feirinha da colab… e o processo vai seguir 2019 a dentro. assistir marie kondo me deixou tão mais aliviada. achei que eu fosse a única criatura que empacasse diante de uma pilha de revistas antigas, ou que guardasse as fotos da lua de mel dos pais. ver que outras pessoas também se emocionam durante o processo, me deu um banho de boas vibrações para seguir a diante com mais carinho e menos critica. by the way: feliz ano novo!! muito axé!

    1. Ana Carolina respondeu anna

      Simmm, pra mim também foi uma lição sobre como me portar com as energias dos outros e seus sentimentos. Achei de uma candura sem fim alguns episódios! Feliz 2019 pra vc tb!

  7. Nat comentou:

    Maratonei em dois dias. Não conhecia os métodos dela, achei bem interessantes e fáceis de aplicar, também me senti motivada a arrumar a casa e meu marido também! kkk Fiquei assustada com a quantidade de roupas e sapatos de algumas pessoas, achei surreal.

    1. Ana Carolina respondeu Nat

      Também, mas já vi alguns guarda roupas lotados assim!

  8. Flávia comentou:

    Ana, mais uma vez, seu post me fez ver algo importantíssimo, que me passou despercebido. Quando você diz que ela “Não faz uma careta, nem uma cara de espanto ou reprovação e dá pra ver que não se trata de estar na frente das câmeras. Todo o seu discurso é amoroso, afetuoso, cheio de empatia e carinho.” Pensei: como isso é importante!! Ela não julga e, assim, não leva para si o peso daquela bagunça. Revolução! Aprendizado para a vida, que Marie Kondo faz, mas que foi Ana Soares quem me mostrou. Obrigada, querida!

    1. Ana Carolina respondeu Flávia

      Lindona, obrigada! Acho que como eu também atendo clientes em suas casas, eu percebi isso dela com mais clareza. Achei a postura dela muito respeitosa, além do cuidado que deposita na energia das coisas. Uma senhora aula da Kondo lindinha!

      1. Flávia respondeu Ana Carolina

        Vocês duas me deram um grande ensinamento para esse 2019! Grande abraço e tudo de bom, Ana. Bjo

    2. Rachel respondeu Flávia

      Realmente, ela não julga e nem faz cara de espanto com a tralha alheia. Ela também deixa que eles que decidam o que fica e o que vai. Sem impor quantidade. Muito legal. A parte que ela agradece à casa por nos acolher e nos proteger me tocou. Faço isso com minha casa, pois quando me mudei, achava que não estava dando a atenção devida à ela e pedia que tivesse paciência. Fiquei feliz por saber que tinha mais gente que também o faz.

  9. Rachel comentou:

    Comecei a ver a série e já quero arrumar tudo em casa. hehehe Me chama atenção o fato dela ser de uma cultura diferente da nossa e como isso transparece na série. Como somos acumuladores!!! E como é natural para nós comprarmos, comprarmos… Sem precisar… Sem nem saber o que temos em casa! Meta para 2019: não comprar por impulso ou sem necessidade.