{pensamento do dia} Ser feliz é de graça.

Estava pra escrever sobre esse assunto há tempos. Provar que podemos ser mais felizes (ou, ao menos, gratos) com o que temos parece papo pra boi dormir. Não sou uma pessoa de fato muito otimista, mas sempre acreditei que nasci para ser feliz, mesmo com todas as dificuldades. E um dos motivos que me fizeram abraçar a ideia de ter um blog (não sei se todas sabem, mas não fui eu quem criou o blog) foi a possibilidade de ajudar outras pessoas a serem mais positivas, a mostrar que algumas coisas são possíveis. Eu tento mostrar que vestir-se bem independe de marcas e do quanto se paga por elas, mas já parou pra pensar que isso pode ir além do universo considerado “fútil” da moda e inspirar nas atitudes para a nossa vida?

Já recebi alguns emails de meninas pedindo ideias de looks para mulheres gordinhas, que adoravam os meus, mas não poderiam se inspirar pois eu sou magra. Eu sempre respondo que dá pra se inspirar sim, porque não? Combinações de cores, ideias de misturas de estampas e texturas, uso de acessórios, e até a atitude, isso tudo independe do tipo físico e das regras de moda que se aplicam a eles.

Aliás, as pessoas andam à flor da pele quando se fala de peso e moda. É um assunto super delicado, envolve auto estima, disponibilidade da indústria de colocar à venda peças para mulheres reais, normais. Assim como também não sei daonde tiraram que tamanho 44 é plus size ou que pessoas que medem 1m64 (oi, eu!) são baixinhas. Acho que conto nos dedos da mão direita as mulheres com mais de 1m70 que passam por mim na rua…

Sobre essa história de looks de gordinhas e magrinhas, um dos blog que mais povoa minha pasta de inspirações atualmente é do Le blog de Big Beauty. A Stephanie, dona do blog, tem o manequim bem diferente do meu, mas quase tudo que ela usa eu automaticamente me vejo usando também. É possível, é bonito, é de inspirar sempre. Quando dizem que gordinha não usa calça estampada, ela vai lá e PÁ!! Mostra na prática que usa sim e fica incrível.

Essas questões não passam só por tamanho de manequim e altura. Muito também por condição social e o quanto se tem no banco. Sempre rebolei para tentar me vestir como gostaria, mesmo com pouca grana e acho estranho quando leio coisas do tipo “os looks são off e mais simples”. Nada contra simplicidade e despojamento, mas também não sei daonde tiraram esse falso glamour, o de desfilar plumas e paetês diariamente, usar saltos plataforma e clutches mesmo pegando ônibus. Acho lindo um look mais elaborado, adoro usar brilho de dia e peças diferentes, mas estilo pessoal vai além de simplesmente usar roupas da moda. Ele tem que ir de encontro ao seu estilo de vida e respeitar isso é a melhor coisa que existe no mundo. A gente tira dos ombros tantas regrinhas, tantas imposições….

Acho que uma das coisas mais legais que vi na Europa nessa viagem, foi passar por diferentes países e notar o estilo das mulheres de cada um deles ao se vestir. O único que eu realmente vi alguma informação de moda foi na França. Ali sim os tênis de salto desfilavam nas ruas, mas sempre acompanhados dos tradicionais trench coats, uniforme básico de qualquer parisiense. Lógico que alguns estilos eram despojados demais, mas percebe-se que a prioridade era o estilo de vida naquele país. Como usar saltos altíssimos quando se mora em uma cidade com 23 linhas de metrô que exigem no mínimo 2 transferências a cada lugar que se quer ir?

Com tudo isso, quero dizer apenas, mais do que nunca, que é muito bom a gente se afirmar e aceitar o que temos, sem neuras, com leveza. Cada um se sente bem como quer e como é – e se quiser melhorar em algum aspecto, que seja pra ela, não para os outros. É difícil lidar com algumas coisas, mas não devemos aceitar o que querem que a gente engula.

Ser rica ou ser pobre não deveria ser condição sine qua non para termos sucesso em algo. Para mim, por ex., não existe o blog da rica ou da pobre. Existem blogs com propostas diferentes, com estilos de vida diferentes, pelo menos no meu ponto de vista. Às vezes me inspiro no blog da moça rica e busco meus equivalentes em lojas mais em conta, assim como morro de amores pelo blog da gordinha, e que é o blog de onde mais tiro ideias, vejam vocês. Olhar além das etiquetas, procurar equivalências e novas ideias são fatores essenciais para percebemos que tudo pode ser aplicável, que o possível depende da nossa motivação para conseguir o que queremos.

Ser criativa vai muito além do nosso manequim, da nossa altura ou da conta bancária. E o melhor: é de graça optar por ser feliz sem rótulos.

Compartilhe nas redes sociais
pinterest: pinterest
tumblr:
google plus:

Comente pelo Facebook

Comentários pelo blog

50 comentários

  1. Lindo lindo lindo esse post Ana! Bom mesmo é ser o que a gente é <3

  2. Ana, seus posts e looks são sempre uma inspiração!
    Adoro seus textos, e como você faz a gente se sentir bem ao acessar esse espaço tão gostoso.

    Tenho reparado que muitas meninas ao acessarem meu blog (que no meu caso, mostra looks para pessoas altas) tendem a publicar comentários “complexados” e fugindo totalmente do contexto da questão… que é justamente aceitação.

    Adoro quando vejo outras blogueiras mostrando que esse universo vai muito mais além de glamour e roupas caras…. aliás a vida vai muito mais além de tudo isso!

    Enfim, obrigada por compartilhar conosco esses seus textos tão legais 🙂

    Um beijo.

  3. Aah! Que linda você, Ana!
    O importante é ter atitude, se sentir bem consigo mesmo… e você mostou isso tudo com exemplos. Amei seu post!
    Sou sua fã!

  4. Adriana comentou:

    Muito bom esse post!
    Eu sempre dou uma olhada em sites de moda e o seu, com certeza, é um dos mais inspiradores. Não apenas pelas ótimas dicas de off e pelos looks inspiradores, mas também por posts como esse!
    Eu, por exemplo, adoro ver os looks e adaptar com as peças que eu tenho em casa. É claro que sempre dá aquela vontadinha de comprar algo que adoramos no look, mas que ainda não temos… Mas isso tem que ser algo saudável, divertido!
    Parabéns pelo blog, Ana!!

  5. Cássia comentou:

    Oi Ana!

    Seu texto está incrível! Com certeza, o que vale é ser feliz independente de dinheiro, peso ou altura…eu sou a famosa “falsa magra” que nem é gordinha, nem magrinha…já pensei várias vezes em fazer dietas pra emagrecer mais, mas toda vez acabava desistindo, e depois de muito pensar, acabei optando por ser feliz assim como eu sou! Tenho meu estilo próprio que assim como você, as pessoas sempre elogiam (inclusive hoje recebi um elogio de uma garota vizinha: “eu gosto do seu estilo” e fiquei bastante feliz!), então pra que virar escrava de dietas? Gosto de me sentir bem, independente de qualquer coisa! Confesso também que ao visitar alguns blogs de moda, não sentia que aquilo era pra mim…não a questão de marcas e afins, mas sim o jeito de se vestir, sempre muito elitista e eu acabava ficando triste por não me sentir parte daquilo, e por isso Ana, eu fiquei extremamente feliz ao encontrar o seu blog onde eu me vejo usando cada look seu! Você tem me ajudado muito a rever meu guardaroupas, e perceber que com apenas uma peça podemos fazer vária coisas! Obrigada por inspirar tanta gente e fazer um trabalho lindo!

    Parabéns!

    Beijos (nossa que livro escrevi 😀 rsrsrsrsrsrs)

  6. sindy comentou:

    Oi Ana! Descobri teu blog há super pouco tempo e já adorei de cara! Esse post então, precisei comentar! Hehhehe Acho que as pessoas perdem tanto tempo se frustrando por imposições, enquanto poderiam aproveitar a coisa mais fantástica da moda hoje em dia, que é justamente liberdade pra usar qualquer coisa. Usar o que cai bem, o que se gosta. Gente mais chata essa que vivequerendo padrão pra tudo, não!? Aproveito pra dar os parabéns! Lindo espaço, esse!

  7. Priscila comentou:

    É clichê, mas é o clichê mais legal do mundo: viva a diversidade! rsrsrs

    Adorei o texto. Como sempre, vc apresentando o que é viver a moda de maneira crítica, priorizando o estilo e não a vitimização.

    Sabe a minha impressão? A de que algumas blogueiras correm o risco de cair numa certa hipocrisia, muitas vezes sem querer, porque acabam tendo que se privar de dizer o que pensam em função da necessidade de visibilidade e grana ou jabás nos bolsos ou na it bolsa…

    E aí é que está a diferença entre estilos de vida, condição financeira, biotipos. Vejo muita gente apresentando um estilo de vida que não possui, fingindo uma condição financeira que na verdade nem existe e correndo atrás da pasteurização da imagem: magricelas, cabelos lisos, compridos, mesmas roupas, mesmas dicas, estereótipos puros.

    O bom é quando a gente encontra AUTENTICIDADE. Aí não importa se a pessoa é rica ou remediada, anda de carro importado ou de ônibus, é magérrima ou obesa. Autenticidade, estilo e carisma – esses sim são gostosos de ser ver na blogosfera! .E vc se enquadra exatamente neste último parágrafo. 😉

  8. Ana, você se superou!!!!! Que tal manter esta tag toda sexta??? Tag motivacional kkkk ameeeeeeeeei… bjs

  9. Norma comentou:

    Ana,

    Tô chocada com sua dica do blog da Stéphanie! Adorei! Digamos que eu não sou nem magra nem gorda (estou entre você e ela, hehe!), mas entendi completamente a inspiração que você tira do blog dela. A menina tem um gosto fantástico, usa peças criativas (colar de boneca! chapéu panamá customizado por ela!) que fazem o look ter aquele “tchan” especial e ainda brilha diante da câmera de um modo diferente, beeem diferente das fotos padronizadas e comerciais de tanta blogueira “profissional” (uma contradição em termos, né) que tenho visto por aí. Nada contra a blogueira ganhar dinheiro com o blog (e de preferência deixar bem claro quando publica os famosos publieditoriais), mas a pegada do blog surgiu como um troço íntimo, pessoal, próximo, e infelizmente tem se perdido. Você soube manter esse toque de personalidade, e é por isso que sempre venho aqui. E agora irei ao blog da Stéphanie com a mesma frequência. 🙂

    Abração!

  10. Viviane Moreira comentou:

    Clap, clap, clap!!! Bravo Aninha, bravo!
    Adorei o texto e terminou da melhor maneira possível: É de graça ser feliz sem rótulos.
    Já conhecia esse blog da Big Beauty e fiquei de queixo caido como ela se veste do jeito que gosta e sem se importar com o seu tamanho, é feliz sem dúvida.
    Ana parabéns pelo texto e por esse blog que é meu vício diário.
    Bjss
    Vi

  11. Analu comentou:

    Ana, não entendi direito seu ponto sobre as francesas…vc falou de tênis de salto e depois das baldeações no metrô…aparentemente incompatíveis, pode explicar melhor, por favor?! Bjs

    1. Ana Carolina respondeu Analu

      tênis de salto são confortáveis, fato! 🙂 Entendeu? vc anda de salto e com o conforto do tênis. Beijos

      1. Lucy in the Sky respondeu Ana Carolina

        mas é feeeeio!!! rss (só uma opinião)

        1. Ana Carolina respondeu Lucy in the Sky

          também acho feio, rs

  12. rejane comentou:

    Ana,
    Seu post me aliviou o coração, acreditas? Às vezes fico perdida com tanta informação, vontades impossíveis… O bom mesmo é se aceitar e se sentir bonita com o que dá. Esse pode ser o caminho da felicidade. 🙂

    Bjo.

  13. Tb conhecia o blog que indicou e o que considero mais legal nele é que a autora não se importa com as tais ‘regras’ para as gordinhas evitarem, ela usa o que gosta e isso dá para ver refletindo bem nos seus looks sempre alto astral.

    O mais legal da moda é vc se divertir e ser feliz. Então tem que saber diferenciar aquilo que INSPIRA e aquilo que EXCLUI.

    Porque infelizmente vejo em alguns blogs, revistas, pessoas que querem passar uma idéia que é de gosto pessoal como sendo uma regra a seguir e acabam criando barreiras nos estilos e gostos das outras pessoas.

  14. Paula comentou:

    Sensacional seu post! As meninas acima já fizeram vários comentários que eu gostaria de fazer, então vou acrescentar: tenho 1,63 e tb não me sinto baixinha!!! Me sinto da altura mais comum no Brasil!!!

    Como já escrevi em um email pra vc há um atrás Ana, amo seu blog pq é de uma pessoa real. Eu até poderia comprar o que é mostrado (vendido) em certos blogs que possuem glamour demais, mas eu me identifico mil vezes mais com vc, que e uma pessoa real, assim como eu.

    Beijosdss

  15. OLA, PARABENS COM SEU PONTO DE VISTA PENSO DA MMA FORMA E TBEM ME INSPIRO EM IDEIAS DE BLOGS DE PESSOAS MAIS ABASTADAS E RECORRO A LOJAS POPULARES,ADOROOOOO USAR MINHA IMAGINAÇAO TENTANDO REMETER AO QUE GOSTEI E SEMPRE DA CERTO !! BJOS.

  16. Simone H comentou:

    Adorei esse post, muito lúcido!
    Parabéns!

  17. Márcia Cristina comentou:

    Post muito legal, adorei suas reflexões!!! Esses dias estava pensando sobre isso, pois atualmente estou um pouco fora de forma para os padrões exigidos pela sociedade, mas não deixo de usar peças que combinam com meu estilo só porque engordam um pouco ou me deixem mais baixa. Ai vejo colegas magrinhas dizendo que mesmo achando lindas, jamais usariam por exemplo saias plissadas porque engordam. Acho isso o fim!! As pessoas devem se preocupar mais com ter um estilo próprio do que só vestirem aquilo que demonstre magreza!! Eu continuarei vestindo tudo aquilo que combina comigo, porque isso sim é sinônimo de felicidade. É claro que tenho bom senso e jamais usaria top com barriguinha de fora. Beijos Ana, amo seu blog!!

  18. Juliana comentou:

    Adorei!!!!

  19. eve comentou:

    Gostei bastante do seu texto. Acho que se adequar a nossa realidade é fundamental.
    Eu trabalho o dia inteiro, ando de um lado para outro e fico muitas vezes em pé por horas, pelo condução (metrô e onibus) e como posso ir trabalhar de saltão e usar uma linda clutcher que não cabe nem 10% do que preciso para passar o dia?
    Algumas blogueiras não devem saber o que é trabalho pois se vestem como em uma festa ou se fossem dar uma volta no shopping, que não é a realidade de boa parte das meninas que trabalham e/ou estudam. Acho legal moda e caprichar no visual, mas tem que ser de acordo com nosso estilo de vida e sem preconceitos bobos. Sou baixinha mesmo ( 1,58) e adoro saia longa, por isso uso quando quero e acho que fica bacana em mim. Viva a liberdade!
    beijos

  20. Camila Fleury comentou:

    Queria evitar usar as mesmas palavras que as outras pessoas já disseram, mas MUITO BOM esse post MESMO! =DD

    Acho que hj em dia com tanta informação de moda e as lojas tornando tudo isso acessível também faz com que tudo seja mais democrático, independente de todos os aspectos que vc citou. Dá pra ter o mesmo look sendo rica ou pobre. É tudo uma questão de endereço, de onde vende mais caro e onde é mais barato.

    E eu acho ótimo pode comprar não só o que é barato, mas como o que ficou também: o que tá em OFF!

    Não é querer ser mão-de-vaca, mas se não tenho pressa nem necessidade de comprar certo item, se eu achá-lo com desconto serei muito mais feliz! Até pq muitas vezes a gente vai na loja depois e acha o mesmo produto remarcado – isso quando a gente já não o comprou e bate aquela decepção depois pq poderia ter gasto menos.

  21. QUERIDA, VOCÊ É ÓTIMA, EU PENSO EXATAMENTE ASSIM COMO VOCÊ, DA VONTADE DE SER SUA AMIGA !!! BEIJÃO !!! TE ADORO !!!

  22. Luisa comentou:

    Olá! Hoje conheci seu blog através de uns comentários de um blog. Fiquei impressionada como seus looks são bonitos com roupas tao baratas! Não costumo comprar em lojas grandes, pois é muito fácil achar alguém com o mesmo modelo por aí… Eu queria saber da qualidade, pois minhas experiências em lojas como essas não foram muito boas! Os sapatos sempre machucam e tiveram blusas, que na primeira vez que coloquei na máquina para lavar, ficou toda esticada! As roupas são boas mesmo, ou são ‘descartáveis’? E os sapatos?
    Adorei seu blog e o post!! Beijos

  23. Soninha comentou:

    Per-fei-to !!!!!!! Ana
    Arrasou !
    Devemos adaptar a moda ao nosso corpo e principalmente ao nosso estilo de vida.
    Eu – por exemplo- tenho zillhões de vestidos e saias lindos que eu usava para trabalhar no antigo emprego. Agora estou trabalhando dentro de uma indústria petroleira e é praticamente impossível ir de vestido. Primeiro pelo público 99,99% masculino, segundo porque da portaria onde o fretado me deixa até o meu lugar de trabalho ando 10 minutos (rápido), se for devagar dá 15 minutos (e tenho que fazer este mesmo percurso para ir/voltar ao refeitório) e vamos combinar é um INDÚSTRIA.
    Ou seja, abandonei meus saltos enormes (no antigo emprego eu ia trabalhar de carro), meus vestidinhos, meus decotes (eram discretos, mas decote é sempre decote), meus colares imensos, e apostei nas calças e camisas, nos saltos baixos e quadradros, nos oxfords, e nos lenços. O toque fashion eu deixo para as cores vibrantes e nos lenços charmosos amarrados no pescoço.
    Este é meu estilo de vida atual, não dá para colocar minha pantalona de oncinha para ir trabalhar. E não vou me equilibrar em saltos altíssimos para entrar/sair e ir almoçar.
    Outro dia uma amiga me viu durante a semana e comentou que eu tinha perdido meu estilo.
    Não perdi, apenas me adptei a minha nova rotina (q estou adorando, diga-se de passagem).
    Parabéns pelo artigo !!!!
    Cada vez mais sou sua fã – rsssss.
    bjs e uma boa semana q se inicia.

  24. Lu comentou:

    Inspirador, Ana. Parabéns.

  25. Aline Gouvea comentou:

    Ana,
    acompanho seu blog desde o comecinho (tô sumidona mas tô sempre na área!) e acho o máximo sua proposta.
    Estou, desde o início do ano, gerenciando 3 lojas de roupas femininas aqui em Paraty e presencio muitas cenas incríveis: gente que quer parcelar uma compra em 10 x (em uma das lojas vendemos Totem, que não é barata, né?). Agora me diz: o que faz uma pessoa comprar 1 vestido e 1 blusinha e querer parcelar em 10 x?, sim, porque à vista fica caro, então, só parcelando mesmo. Mas já pensou passar por 3 estações e ainda estar pagando duas peças de roupa?
    Outra coisa que sempre me faz ficar admirada é a tal ditadura do manequim 36, ou como costumo dizer, o mantra do “tô gorda”: tem mulher com corpo lindo que se olha no espelho e fala “esta roupa me deixou imensa, não vou levar, não”. Teve uma que se superou “O quê? Tamanho 40? Me recuso a comprar uma peça deste tamanho. Sou 38”. Isto sem contar em quem mora aqui na cidade (conhece o Centro Histórico? Pedras Portuguesas) e insiste no saltão. Por quê? Pq é moda. Seu texto está magnífico. Beijão cheio de saudade!!

    1. debora respondeu Aline Gouvea

      Adorei seu comentário

    2. Ana Carolina respondeu Aline Gouvea

      Aline, querida! Um beijo cheio de saudade!!

  26. Paula comentou:

    Ana,

    Acompanho diversos blogs de moda diariamente e adoro a sua proposta de vestir-se bem comprando em lojas do mundo real.
    Não sou gorda, nem magrela, sou baixinha, meu corpo nem sempre é equivalente ao que vejo nos blogs que acompanho, mas tento me inspirar, procuro ideias para aproveitar as roupas que tenho e comprar peças que sejam coringas, que eu realmente vá usar..

    Maravilhoso esse seu post…muito bacana mesmo! Parabens!

  27. Janaina comentou:

    Adorei, adorei, adorei. Muito bom mesmo! Um beijo grande para você, Jana

  28. Rose comentou:

    Que bom ler algo inteligente sobre moda, atitude e comportamento.
    Não aguento mais as famigeradas “inhas”, “its” ” tendencias”…aff!

    Beijocas

  29. Lucy in the Sky comentou:

    Ana, vc abalou: uma prova que há gente sim, que gosta de moda sem ser fútil.
    obrigada!

  30. OI ANA..TENHO UM BLOG PRA GORDINHAS..SOU MANEQUIM 46/48 E TB NÃO ENTENDO O 44 SER PLUS..RSRS O FATO É QUE VEJO SEU BLOG TODOS OS DIAS E MESMO VC SENDO BEEEEEEEEEEEMMM MAIS MAGRA QUE EU VC ME INSPIRA MUITO..PARABÉNS PELO POST..BJO

    1. Ana Carolina respondeu Lídia Nogueira

      ai, Lidia, que legal!!! Fico muito feliz. Um beijo!!

  31. Aliane Pereira comentou:

    Falou tudo!!! Concordo em tudo tudo tudo. Adoro teu blog não só pelas roupas estilosas e baratas que tu nos mostra, mas porque tu sempre incentiva essa coisa de se sentir bem com o que está vestindo e não porque a moda da estação está ditando que tu use certa cor, estampa, modelo.

    Continue sempre nos inspirando, Ana 😉

  32. Marcela comentou:

    Oiii Ana!

    Adorei a sua dissertação… Curto muito o seu blog, não só pelas idéis de looks, mas pela realidade que você mostra, pela coerência, sutileza e carinho que você expõe o que pensa.

    Sabe que tenho muita vontade de te conhecer e ter a oportunidade bater um papo legal…

    Beijinhos…

    1. Ana Carolina respondeu Marcela

      Oi marcela! Que fofa. Vc é do Rio? Beijos

      1. Marcela respondeu Ana Carolina

        Oi Ana!

        Não moro no Rio não… mas não estou tão longe… de vez em sempre estou por aí…… porque AMO esse lugar! Moro em Macaé. Beijinhos.

        1. Ana Carolina respondeu Marcela

          ahh, senão ia te chamar pra um café. 🙂 Beijoca!

  33. Laura Friche comentou:

    Ai, Ana, como eu gosto de você, viu? ADORO!

    1. Ana Carolina respondeu Laura Friche

      lindona!! <3

  34. Isabela comentou:

    Entrei hoje pela 1ª vez neste blog e gostei muito do seu texto.

    Concordo com adequar-se ao estilo de vida, vou trabalhar de bicicleta, já que não tenho tempo de me exercitar faço o que posso, então não uso salto no trabalho, sempre estou de sapatilha, imagina só como seria de salto e bike?

    No dia-a-dia conseguimos ser mais autênticas, pois temos que nos vestir com o que temos e de acordo com o que somos, nos fds dá pra ousar um pouco mais…hehehe.

    Bjusss..visitarei sempre!!

  35. Anah comentou:

    Ser feliz é o que importa!!!