As tendências que eu vou fugir e a que eu devo abraçar

Há alguns dias arrumei um tempinho para entrar nas fast fashions e observar como cada vez mais eles acompanham as amadas e também igualmente odiadas tendências. Eita palavrinha que virou até piada de tão banalizada, mas simbora.

As tendencitas vivem nessa eterna dicotomia: são amadas por um grupo que gosta de novidades, ou porque calha de ser um modismo que a pessoa se identifica. Mas para um outro grupo, os abnegados que passarão a estação inteirinha desesperados atrás de uma simples sapatilha preta mas não a encontrarão porque só existem sapatilhas com estampa de onças azuis, por ex., e assim serão odiadas pois estará aberta a temporada de ficarmos entediados ao entrarmos nas lojas, achando tudo repetitivo e em desacordo com nossos estilos.

Admito ser uma entusiasta das coleções de outono-inverno. Sou carioca, adoro cores e estampas, mas nada substitui a satisfação de vestir uma calça e transitar por aí com meus blazers e jaquetas. Mas tem algumas modinhas que assim que eu avisto nas vitrines das lojas eu corro na direção oposta —-> apesar de ter uma REVELAÇÃO a ser feita no final desse post. RÁ!

Minha humilde listinha de vou fugir e vou abraçar é resumida, ó:

VOU FUGIR:

1) Militarismo – ele, que nunca esteve completamente adormecido, toma fôlego e dá um sprint na frente de todas as outras tendências da estação, com direito a capa de revista e editoriais na Vogue!

militar-2

militar

Eu demorei a aceitar isso, mas eu fico péssima de verde musgo, verde militar, verde oliva e similares! Essa galera orrrrrrna muito mais com pessoas de tom de pele mais quente, de fundo amarelado e euzinha aqui sou dos frios, dos azuis e preto. Eu ainda tentei encarar há alguns anos com essa parka da Zara, mas só consegui usá-la duas vezes, uma nesse look com uma camisa de uma cor que me favoreça por baixo e só. Resultado? Foi pro Enjoei.

Cartelas de inverno são notavelmente mais elegantes, o único porém é quando a cor em evidência não te favorece nem a pau, Juvenal. O bom de você saber que essa cor não rola mesmo é de já ter um critério maior na hora das compras. Já risca da lista, saca? Menos uma coisa pra ver.

Agora, se você gosta, manda ver sem medo de arriscar. Ninguém precisa ficar bitolado com regrinhas de estilo, não é? Pra quem está amarradão com a ideia, a C&A está com um banquete de peças nesses tons: parkas, camisas, blazers, calças e vestidos!

militar-cea

2) Jardineiras e macaquinhos jeans – Não adianta, eu já usei muito aos 18 anos, não rola repetir a façanha. Aliás, eu até gosto de jeans, mas não sei, acho que essa fase passou pra mim, não me senti incrível todas as vezes que experimentei, então concentrarei meus esforços e vontades nos que eu realmente curto: calças e os shorts para a #sagadoshortjeans.

Acho fofo, gracioso, mas prefiro macaquinhos de tecidos e estampados – de preferência estruturados.

macaquinhos

3) Colete com franjas – vocês sabem que eu sou chegada nas experimentações, não tenho medo de arriscar e nem de misturar cores e texturas, mas vou dizer que eu jogo as mãozinhas pra cima e digo sem medo: vai na fé pra bem longe! AHHAAH! Não consigo mesmo imaginar o casamento de nada no meu armário com esses coletes de fios pendurados. É forçar a barra do hippie, não?

colete-franjas

O QUE EU QUERO USAR:

Preparem-se para gritar, arrancarem os cabelos, morrerem de desgosto, balançarem a cabeça negativamente, surtarem, pegarem a vara verde (AHAHAHA agressão!), me excomungarem!

– Pochetes. Nome gourmetizado: belt bags

SIM! Quero arriscar pelo menos um modelinho como esse que vi no site da Adô. Ok, quando recebi a newsletter eu armei um quiprocó, me senti ultrajada, como assim ousaram voltar com esse apêndice do anos 80, essa catástrofe da moda?

Mas algumas amigas vieram me convencer do quão prática essa bolsinha pode ser! Deixando nossas mãos e ombros livres, carregando apenas o essencial, a maravilhosidade que é ir a shows e poder pular sem a bolsa ficar batendo. Argumentos validados por essas produções lindas e eu já estou me imaginando com uma pochetona além das que eu carrego naturalmente sob as roupas HAHAHA

belt-bag-ana

O que vocês acham? Será que fujo da pochete também? Ou arrisco? =)

Compartilhe nas redes sociais
pinterest: pinterest
tumblr:
google plus:

Comente pelo Facebook

Comentários pelo blog

44 comentários

  1. Vera Dutra comentou:

    Olha Ana … Parece que vc leu meus pensamentos …tb não curto esta cor , estas franjas , este jeans e tb se me permite nem esta pochete , não acho que cai bem …
    Abraço …

  2. Tassia Fernanda comentou:

    Não..mesmo estas pochetes estilizadas não são nada bonitas.
    Eu jamais usaria.
    Do que você falou, eu uso só o colete com franjas…e vai por mim: eu que sou mega básica, amei.
    Comprei um colete de rendas preta e com franjas, usei com uma calça de cor viva por baixo (vermelho escuro) e aí o detalhe trançado dos franjas se destacou. E olha, rendeu elogios! Achei que ficou bem chique apesar do toque hippie. 😉

  3. Ju Porto comentou:

    Tenho uma relação bipolar com peças verde-musgo. Já tive um blazer de sarja que não conseguia usar nunca, achava difícilimo de combinar e acabei doando. Mas eu tenho um casaco bem quentinho da Zara que usei muito uma época e depois deixei de lado. Resgatei ele do fundo do armário no ano passado e fiquei indignada comigo mesma pelo abandono! rs

  4. Débora comentou:

    Oi Ana. Também sou assim. Tem algumas tendências que eu realmente deixo passar sem sentir o mínimo de culpa fashion, rsrsrs. Do seu post, eu vou aderir ao militarismo, pois é uma moda que eu adoro e aos marcações jeans. Agora pochete… Fala sério, Ana! Deveriam ter ficado perdidas nos anos 80.

  5. Camila comentou:

    Pochete? Never.. já bastam as minhas “pochetes naturais”.. rs

  6. Natalia comentou:

    eu não usaria, mas e daí 🙂
    você vê que a pessoa está apaixonada mesmo quando usa argumentos fajutos pra justificar: pelo que te conheço por aqui, você tem zero perfil de ir a muitos show pulantes e mais adepta a barzinhos, não? hahahaha (é só uma brincadeira, espero que entenda).
    a única tendência que não vai embora e eu sigo na torcida de forma desesperada é o maldito cropped. tá cada vez mais difícil comprar uma blusa inteira, gente! socorro!! hahahaha
    beijo!

    1. Cinthya respondeu Natalia

      MEGA compartilho a sua dor com relação as cropped. Minha pança não me permite e quero uma blusa que a cubra! Rsrs!

      bjs!

    2. Tati de Porto Alegre respondeu Natalia

      Também compartilho! E vou adotar o termo “blusa inteira” na próxima vez que me oferecerem uma cropped, hahahaha! O estranho é que só vejo essas blusas faltando a metade nas lojas, na rua não tem ninguém usando…

      1. Ana Carolina respondeu Tati de Porto Alegre

        aqui no Rio tem muuuita menina/mulher usando cropped!

    3. Debora respondeu Natalia

      também compartilho a dor…
      odeio cropeds.
      quero blusas inteiras!!

    4. Debora respondeu Natalia

      também compartilho a dor…
      odeio cropeds.
      quero blusas inteiras!!

  7. Bruna comentou:

    kkkkkkkkkkkkkk
    Adooooroo verde! Bege, marron, preto, cinza. #brunamonocromatica
    Adorei ver o tom por ái, mas a moda meio militar não me enche os olhos. Não é meu estilo na verdade.
    Colete já acho difícil, de franjas?? Afinal, acho muita forçação de barra… para poucas que realmente carregam tanto estilo.
    Jardineira… putz, não volto nessa moda neeeemmmm!!
    Pochete é a coisa mais prática do mundo, mas não… fashion, não é, nem nunca vai ser.

    Nada disso aí me pega desta vez!!

    (eu acho, porque pagar lingua é um dom, uma sina, uma deusa, uma louca, uma feiticeira)

    Bjo linda!!

  8. Lais R comentou:

    Acho que o problema da tendência é exatamente esse que você citou, Ana. As lojas ficam abarrotadas de um mesmo tipo de roupa e fica difícil encontrar algo que parece tão simples como “calça jeans sem desgastes e lavagens, reta e de cintura média”. Bom mesmo é quando algo que você gosta vira tendência, se por um lado todo mundo vai usar, por outro fica bem mais fácil comprar.

  9. larissa comentou:

    Concordo em tudo com vc, menos com relação a pochete. Essa não tem jeito!

  10. Nathalia comentou:

    o fato é que comprei uma bike e, claro que existem mil formas de vc carregar suas coisas enquanto está em cima dela, mas fiquei aqui pensando.. Porque não uma pochete? Super usaria nessa ocasião ou em algum show em que eu estaria com preguiça de levar uma bolsa a tira colo. Fiquei pensando mais na praticidade

  11. Munique comentou:

    Oi Aninha,

    Aprovadíssima a pochete, já estou esperando seus looks com ela!!!

    Beijos.

  12. Aline comentou:

    Vai ser feliz, ué! Se vai ser com a pochete, vai com tudo. Porque eu tô aqui de boas com macaquinho AND colete de franjas no armário. ♥

    1. Ana Carolina respondeu Aline

      É isso! <3 vamos ser felizes como quisermos! :))))

      1. Ana Carolina respondeu Ana Carolina

        Também levei!! Mas tenho que puxá-la pra cima toda hora, snif! Beijossssss

  13. Miriam comentou:

    Ana, acho que a moda tem que servir a nós e não nós à moda. Pochete é um treco feio. Eu estive nos anos 80 e posso dizer que as pochetes não me deixaram boas lembranças… nem as camisas abertas dos homens nos anos 70… nem aqueles blazers gigantescos dos anos 90… meias-patas exageradas dos 2000… longa lista! Mas tenho uma no armário. Pras situações de emergência. Como você disse, pular em show com bolsa não dá… caminhar na beira da praia também não… Ir à feira e voltar com as sacolas de compras e mais bolsa…. A pochete vale quando é útil. Quanto aos looks militares, há uniformes militares azuis… lindíssimos… vermelhos também… não desista ainda. Beijos.

  14. Juliana comentou:

    Pochete não, Ana! hahaha Vou defender o verde-militar, posso? Porque nem orna tanto comigo (e olha que minha pele é das ~amareladas), mas amo tanto! Curiosamente, como mencionei no instagram há uns dias, não tenho mais nada no guarda-roupa dessa cor! Talvez esteja na hora de procurar de novo!

    Beijinhos!

  15. Marggah comentou:

    Ana,
    Fui ver sua foto com a parca militar e gostei muito! Tava linda, que pena que você desistiu dela… Mas já peguei sua inspiração de usar meu novíssimo casaco militar com pink também, rsrs.
    Achei a pochete da Adô linda, porém um pouco cara e, aparentemente, muitíssimo pequena. Não dá para comparar com pochetes dos anos 80, é praticamente outro estilo. Está delicada, se couber o celular, doc e $ é a bolsa ideal para sair para dançar.
    De resto, também passei da idade: nada de macaquinho jeans, nem franjonas como as desses coletes.
    Beijos, linda! Estarei no seu workshop em SP dia 28!

  16. Corra em direção a luz, Ana!!! Saia da escuridão!Onde, aliás, estão as pochetes, rsrsrsrs

    1. Ana Carolina respondeu Luciana Vilela

      AHAHAHAHAHAH AMANDO os comentários!

  17. Maura Botinha de Melo comentou:

    Aninha, só para registrar, entrando normalmente no blog, sem F5, viu sua linda! UFA!!!
    Quanto as impressões, realmente somos únicas mesmo. Vamos sair felizes com ou sem pochete!!! rsrsrsrs

  18. Úrsula comentou:

    Pra mim essas belt bags da Adô não remetem em nada às pochetes feiosas dos anos 80. Eu achei lindas e são ótimas alternativas pra quem precisa das mãos livres como já deram exemplos aí nos comentários. Os looks estão chiquérrimos!

    Oh Ana, você pensa em fazer um post explicando um pouquinho sobre essa análise de cores que faz na consultoria com as clientes? Tem como dar umas diquinhas pra gente sem entregar o ouro do seu serviço? 😀 Bjos!

    1. Ana Carolina respondeu Úrsula

      Simmm! Já está na programação, deve entrar semana que vem 🙂

  19. Lidica comentou:

    Nããoooo pochetes!!!

    Simmmmm macaquinhos jeans!!

  20. Rachel comentou:

    Dessas “tendências” acho que só o militarismo mesmo e só se for nada literal. hauhauhau

  21. Cinthya comentou:

    Das tendências que vc colocou, eu, provavelmente vou abraçar o militarismo. AMO verde musgo. 🙂

    Olha, quanto as pochetes, elas são polêmicas eu sei… Mas são práticas também… Então se vc quer usar, use e seja feliz! Eu acho que não vou adotar não porque a minha pochete natural já é bem acentuada e qualquer coisa que aperte ali na região da cintura não fica exatamente bom! rsrs!
    Como bem dizem as meninas do Coisa de Diva: #useoquetefazfeliz
    🙂

    beijos!

  22. Luciana comentou:

    Ana, sigo seu blog há muito tempo mas nunca comentei, dessa vez criei coragem, afinal já estava na hora de participar também….

    Eu gosto muito do militarismo, para mim isso independe de tendências….E se gostou da pochete e acha que vai usar, vai com tudo. Como você mesmo prega por aqui o que importa é a gente se sentir bem e feliz com que está vestindo. Bjs

    1. Ana Carolina respondeu Luciana

      também acho que independe de tendências! Eu acredito todo mundo pode ser feliz como quiser, né, Lu! 🙂

  23. Maura Botinha de Melo comentou:

    Ana querida, para seu registro, blog funcionando perfeitamente, sem F5.
    Seja feliz, livre, leve e solta com ou sem pochete…

  24. Viviane Moreira comentou:

    Olha eu já tenho uma pochete aqui comigo dia e noite! 😛 Não consigo tirar ela!!! hahahaha 😛
    Como ainda estou sem função nessa vida, devo dizer que não vou aderir a nenhuma modinha, tenho que me contentar com o que tenho e fazer render.
    Bjss
    Vi

  25. Tati comentou:

    Amei essas pochetes! Que coisa prática! O militarismo também me agrada. Macaquinhos são lidos, para crianças e tens e ponto final.

  26. paula comentou:

    Desde que vi essas pochetes da Adô eu até tentei gostar, pois gosto muito da marca, mas não dá! Elas são bonitas dentro do possível, mas no corpo não ficam bem. Pra essa situações que vc falou Aninha, tipo show, ou um programa em que vc precisa ficar mais livre, eu costumo usar uma bolsa de cruzar bem pequena, do estilo daquelas nanicas da própria Adô.

  27. Malu Frazão comentou:

    Ana, eu te entendo! Abomino pochetes com toda a força do meu ser. Usei muito na minha infância dos anos 90 e tenho pavor. Coisa de vendedor de comida na praia, né? hahahahaha… MASSSSS… entrei no site da Adô e INCRIVELMENTE simpatizei com essas belt bags. E pensei na mesma coisa que você: gente, preciso disso pra badalar!!! Mais prático impossível, e achei massa, de verdade. Aí lembrei que quando era criança tinha um cinto branco que eu amava que vinha com uma bolsinha bem pequenininha (mesmo) onde eu guardava moedinhas pra comprar sorvete. Ou seja, desde aquela época, já havia diferença entre as pochetes enormes e horrendas e os cintos utilitários fofos. 😉

  28. Denise comentou:

    Sou do time que adora verde musgo e militarismo. Esperando um tempo mais fresquinho prá voltar a usar. Feliz !
    bjs

  29. Silvia comentou:

    Adoro a moda do militarismo, dos coletes com franjas…mas macaquinho jeans e pochete pra mim não rola…

  30. fernanda comentou:

    Aninha, o blog não normalizou para mim =/ Continuo limpando o cache para conseguir ver as atualizações =(

  31. Michelle comentou:

    Achei legal as pochetes mas quem tah magra com barriga bem aparente (meu caso) vai só parecer mais cheia na cintura, certo? Ou será que coordenando com a mesma cor/tom da calça não engorda tanto a região da barriga/ quadril?

  32. Juliana comentou:

    A volta da pochete, hehehe. Olha, confesso que sempre torci o nariz pra esse tipo de acessório, mas achei lindo esse modelo da Adô! Estiloso, moderno, não sei explicar bem… mas usaria fácil esse modelo específico (e acho que só ele mesmo, rs).
    Bjs!

  33. Débora Faria comentou:

    Ana, também adoro cartucheiras (pochete é bem diferente do que essa da foto… Pochete é mais de “cobrador de van”, sabe? hahahah). E aqui no Rio achei uma loja que vende cada uma mais linda que a outra! O nome é Erwin bolsas (agora tem até loja online, que é essa aqui: http://erwinbolsas.iluria.com/index.html). Tô louca pra comprar uma, e o precinho é bem camarada 🙂 Beijo! Adorei o blog.. conheci hoje e já tô lendo todos os posts feito louca, kkk.

  34. Lorene comentou:

    The Rajasthan stall is good, as is the Awadh (Uttar Pradesh) one. I’ve also heard good things about the Jammu & Kashmir and the Sikkim stalls, though I ha8;2&#vn17et tried those myself.