{pensamento do dia} Desapegos

Estudar consultoria e pensar mais sobre o tema em si tem feito um bem danado à minha vida. Não só pela oportunidade de migrar de profissão (ou complementar, porque sou dessas multitarefa, que não larga o osso), mas de perceber primeiro em mim as lições. Como posso ajudar alguém a viver bem com um guarda-roupa mais conciso se o meu próprio não está assim?

Diversas vezes falei na simplificação e na importância da organização na minha vida e finalmente pus ambas em prática, há alguns meses. Limpei meu armário. Sem dó nem piedade. E o melhor é que, a cada nova olhada, eu tenho a necessidade de abrir mais e mais espaço. Eu guardava vestido que nem gostava tanto assim. Roupa que não me vestia bem. Ou que eu já havia enjoado há tempos. Roupa que não cabia, um tamanho 36 que eu nem quero mais, tô muito feliz com minhas curvas de mulher que vive a vida e trabalha muito (ok, exceto a barriga de chopp). Botei a maioria para doação, algumas no bazar e, acreditem, ainda vai entrar mais essa semana. Vendi por preços justos para deixar essa energia circular mais rapidamente. E, a cada peça vendida, um alívio. Um centímetro a mais de espaço.

O exemplo do look de quinta-feira: roupa louca, com mil botões que caem, nada fácil de lavar e passar. Peça conceitual sim, mas a vida pode ser mais prática e divertida em outros detalhes.

Aí a gente vê o quanto vendeu e percebe que, mesmo economizando aqui e ali, tiveram algumas compras por impulso, outras por ignorância mesmo – a de desconhecer o próprio estilo e se deixar levar por modismos, normal. E por isso to evitando calcular quantos reais eu poderia ter a mais na minha conta. Já era, agora a sensação é a de um ciclo encerrando. Já sei mais sobre meu tipo físico, meu estilo e melhor sobre o que fica bem em mim e o que eu realmente acho que vale a pena investir.

Nas semanas passadas me desesperei com o calor e anunciei que precisaria de roupas mais de acordo com meu estilo para os dias de altas temperaturas que se aproximam. Fui ao shopping, convicta, sabendo o que precisaria comprar e com o coração e bolso abertos para novas compras. Bom, chegando lá, a ficha caiu…

Eu estava pulando uma das etapas: limpei o guarda-roupa, mas não cheguei a prestar atenção no que ficou e nas possibilidades daquelas peças. Não sentei e pensei em ideias de looks com o que eu já tenho. Puxa vida, que bola fora, haha! Mas nem foi difícil lembrar disso: as etiquetas de preços lojas se encarregaram de me avisar. E tudo está caro, é fato, mas também é certo que hoje penso mais em investir e não em gastar. Por isso, queria comprar algo diferenciado, interessante e que servisse para minha nova fase de vida.

Esbarrei em outro agravante: no modismo. Procurei por shorts que não fossem exatamento shorts, rs. Claro que eu sei que a proposta do short é ser curto, mas puxa vida, tem que ser tão curto assim? Adoro minhas pernas, mas nem sempre acho que é cabível usar e abusar do mini. Eu só queria algo mais clássico e não tão curto, não muito cara-de-menina-de-20-anos. Impossível. As araras estavam abarrotadas de mini-micro-shorts com estampas tribais, spikes e cores neon. Preciso procurar em outras freguesias, incluindo brechós, mas é fato que fiquei decepcionada e ao mesmo tempo feliz com esse freio consumista.

Outra coisa que tenho aprendido é a incorporar peças mais clássicas, neutras e elegantes no meu guarda-roupa. Por ter o estilo criativo, eu sempre comprei coisas super diferentes, que chegam a chocar (Freud explica!) e mega coloridas. Resultado: um monte de roupa super loka, onde nenhuma combina entre si, peças esquisitas e com péssimo caimento. O Comprei e nunca usei que o diga…depois de me ver nas fotos com tanta peça de roupa nada a ver, metade eu doei/vendi/passei pra frente. Roupa com personalidade, sim, mas desde que seja realmente bacana e que me favoreça!

Então a minha proposta para vocês essa semana, é: se reinventem. O que eu mais escuto/leio por aí, e eu estou me incluindo nessa, é que alguém deixou tal peça de roupa encostada no armário porque não sabia como usar. Como assim não sabia? Eu também não sei, aliás, quase sempre tenho dúvidas e hoje em dia eu arrisco! É isso o que eu considero de mais delicioso na moda, um eterno auto conhecimento, um mundo vasto de possibilidades. Posso dar meus pitacos nas ideias, mas isso é dar alguma receita pronta, alguma resposta sem grandes desafios. É querer que o mundo lhe dê lookbooks prontos para não ter que pensar muito sobre aquilo, ai que chato ter tanta coisa pra fazer e ainda pensar no que vestir. Só que isso não deveria ser uma chatice nunca!! Pense bem, a roupa que você veste é uma extensão de quem você é. Dos seus sentimentos, da sua vida, da sua rotina, dos seus anseios. Não deixem acreditar que isso é fútil: fútil é comprar por comprar, é querer apenas imitar a fulaninha, ou reproduzir ideias para nunca errar, com medo de represálias, com medo de parecer ridícula.

Se desapeguem disso. A gente não precisa apenas se desapegar das roupas que não usa mais, mas também de alguns conceitos pra lá de engessados. Tudo é uma questão de exercitar as ideias e colocá-las em prática! 🙂 E por que não pôr a mão na massa? A Cléo, leitora do blog, tem uma tag de DIY no blog dela, com várias ideias para transformar aquele short encostado em um item da moda! 😀

O short de spikes que a Cléo fez. Foto: reprodução blog Entre espelhos e cabides

A Maria lembrou muito bem nos comentários sobre algo mais essencial, a preocupação com o meio ambiente, que arca as consequências do consumo desenfreado. De refletirmos antes de comprar. Tecidos naturais são mais caros, mas nos força a pensarmos bem antes de comprar e são melhores tanto para vestir, quanto para o planeta.

Eu acredito que aqui no blog o intuito não seja o de “ensinar” alguém a vestir determinada peça de roupa, mas de dar um pontapé inicial nessas ideias guardadas nas nossas cabeças. Claro que algumas coisas fazem a luzinha acender e, plim, você teve uma ideia ao ver algo aqui ou acolá, mas que seja assim e não apenas sair em disparado comprando tudo para reproduzir. Uma comprinha é sempre uma alegria, mas o exercício de ser criativa ou menos passiva todos os dias também pode ser uma delícia! Verdade que existem gostos e interesses diferentes, não vou conseguir e nem quero agradar a todas, mas não é isso que eu quero. Definitivamente, não quero que bajulem a minha it bag xingling! Quero ver todo mundo se inspirando, pensando em ser mais feliz consigo mesmas, com o que tem no seu armário, o que pode ser comprado com o suado dinheirinho e em como fazer aquilo render várias combinações interessantes. Sem se ligar em tantas regrinhas de pode e não pode, apenas teste e veja se lhe cai bem e se você se sente bem. Ligue o som, dance em frente ao espelho e ponha suas ideias em prática. Valendo!!!

Acho que a gente vai se divertir bem mais do que muita gente que tem tudo de mão beijada, heim? ;D

Compartilhe nas redes sociais
pinterest: pinterest
tumblr:
google plus:

Comente pelo Facebook

Comentários pelo blog

51 comentários

    1. Ana Carolina respondeu Simone Tressi

      meninaaaa!! E sabe que eu escrevi esse post há dias e tinha esquecido dele? hahaha

      1. Pra vc ver!!! Sempre acho bom quando isso acontece… Minha amiga Luciana diz que quando é “mensagem repetida”, é porque é algo que a gente realmente precisa aprender… 😉

  1. Diana comentou:

    Amei essa sua camisa, onde comprou, vai se desapegar dela ?

    1. Ana Carolina respondeu Diana

      Já tem uma pessoa na fila! 😀

  2. Ah, outra coisa: na CeA do Iguatemi achei shorts lindos de linho com um cinto de couro removível, em off white e camel, só não comprei porque o 44 ficou apertado e o 48, largo. Justo o 46 não tinha mais. Eram lindos, chiques, comprimento na medida pra não ser bermuda nem curto demais! 😉

  3. Viviane Moreira comentou:

    Poxa Ana que texto fantástico! Aprendo tanto com você! É lei pra mim vir aqui no seu cantinho te ver e aprender e me inspirar, vício saudável! <3
    Ontem, feriadão, estava a arrumar meu armário pequeno, da época da faculdade e me vi com caixas e caixas de sapatos que não uso, cada um com o seu motivo e de repente pensei: Não preciso de mais sapato, então Santa Lolla me desculpe, mas não é agora que vou te comprar! E olha, pra mim, doida por sapatos, foi um baita avanço!!!! E logo me vi pensando em você Ana! Sim! E hoje você escreve esse texto sábio! Sintonia só pode! 😛
    Fiz uma lista do que falta e separei roupa pouco usada, e empilhei outras que não uso, por não entrar mais em mim etc, etc… enfim desafogando um armário e descobrindo novas peças! Aprendi com você. Obrigada!
    Bato palmas a você! <3 Meu vício de todo dia….. <3
    Beijos e mais beijos
    Vi

  4. Graziela comentou:

    Esse post é muito bom, eu também estou passando por isso de olhar pra uma peça e usar de várias formas, ainda querendo me desapegar de várias… me peguei dias desses separando as roupas, minha casa está passando por reforma, tudo está bem zoneado… kkk
    Eu me deparei com um vestido que ganhei usei só uma vez, porque não gostava do laçinho que deixava o tido cujo muito menininha, então eu arranquei ficou uns pequenos rasgos, porém agora eu posso usar com cintos que tampam esses defeitinhos… Uma loucurinha que me fez não torcer mais o nariz pra ele….

  5. Josele Lopes comentou:

    Belíssimo post.
    Bjs bjs

  6. celia comentou:

    Que texto bonito de ler. Quanta coisa para levar de reflexões para o nosso dia a dia. Beijo

  7. Carla comentou:

    ” dar um pontapé inicial nessas ideias guardadas nas nossas cabeças. ”

    Vc consegue fazer isso.

  8. Aline Jesus comentou:

    Excelente texto! Serve para roupas e para a vida! Beeeijos!

  9. Carla comentou:

    Ah, queria conselhos para quem tem o defeito contrário, já me arrependi tantas vezes de me desfazer de certas peças, tenho pouquíssima roupa e preguiça de comprá-las. Quando digo que não tenho roupa para usar pode ocorrer uma das duas situações: 1. ou tive uma semana um pouco mais cheia e não tive tempo de lavar roupa e já usei tudo que estava disponível; 2. ou já usei tanto tudo que estão sem condição de uso e atá de doação, como são poucas elas se acabam de vez tb. No segundo caso, tenho a agonia de ter que ir ao shopping comprar várias roupas de vez, dai, sempre rola um mal-estar. Desde o ano passado, comecei a achar isso patológico e tenho me obrigado a comprar roupas com mais frequência (o objetivo é comprar uma peça todo mês pelo menos). Pensem que a maioria das minhas roupas que não eram calça/bermuda/camiseta, eram dadas por minha mãe de surpresa.

    Affe, é duro descobrir que sempre fui uma perua reprimida. kkkk.

    O que mais gosto aqui é o que já disse ” dar um pontapé inicial nessas ideias guardadas nas nossas cabeças. ”. É o blog que eu melhor me inspiro em combinação de cores, o que me faz ie às compras com outro olhar.

    1. Keity respondeu Carla

      Me identifiquei com vc, Carla.
      Eu tbem era assim. Ainda falta muito pra eu conseguir me organizar, mas eu fazia comoi vc. Ia atras de roupa qdo nao tinha mais opção. Sapatos… ai, era um saco, esperava literalmente furar UMA bota pra compra A substituta. Ai era uma correria… saía, ficava horas e voltava com nada pra casa. Alem do fato de sair correndo procurando tal coisa por necessidade, ainda tinha a moda, q normalmente nao me agradava, nao combinava comigo, era estranho e bla bla bla. Me prometi comprar um sapato por mes… isso mesmo… mas nao deu muito certo tbem… comprei alguns mas estao la, abandonados.
      To aprendendo bastante por aqui tbem… mas ainda falta ânimo para ver o q tenho e o q preciso… mas to melhorando…

      1. Carla respondeu Keity

        Nossa Keity, bom saber que eu não sou a única! Um dia a gente aprende, o bom é que temos a oportunidade de entrar no mundo do consumo de roupas pelo caminho certo, lendo as experiências de quem já faz isso a mais tempo.
        Abração.

  10. Larissa comentou:

    Adoro os seus textos, sem futilidade e mostrando a realidade para maioria dos brasileiros. Sei que muitos leitores não têm condições de saírem por aí comprando tudo que está em alta, que dizem estar na “moda”. Temos que aprender a comprar somente o que usamos, o que gostamos e aquilo que cabe no orçamento, e parar de comprar pq todos estão usando. Já ‘escorreguei’ muito na hora de me vestir, mas hoje eu uso peças que eu gosto e que não deixam de ter o meu estilo.
    Sempre estou me desfazendo das peças paradas do meu armário. Semana passada separei vários sapatos que estão desgastados e os que eu não uso. Ah, também parei de comprar compulsivamente há um bom tempo.
    Beijos!

  11. Fabiola comentou:

    Olá, Ana, boa tarde!

    Acompanho teu blog há um tempão, gosto muito, mas nunca comentei. Eu sou bem desajeitada com moda, gostaria de me arrumar melhor, tenho procurado fazer exatamente isso que vc comentou neste post, me identifiquei com tudo que vc disse, obrigada pelos seus toques, saiba que ajuda muito a repensar várias coisas.

    Beijocas,

  12. Maria comentou:

    Oi Ana!
    Sou a Maria de novo, escrevendo desde Alemanha.
    Adorei o seu post!!
    Eu acho que as pessoas precisam comprar menos. Todas as coisas que existem no nosso planeta representam energia gastada (materias primas, combustivel), trabalho que alguem faz (e que é dinheiro) e em algum momento viram lixo (dinheiro que vai pro lixo). Lixo que nao so ocupa espaco no nosso armario e vira lixo no nosso inconsciente, tambem ocupam espaco no mundo E CONTAMINA!
    Eu adoro moda. Adoro looks, ficar bonita. Mas acho que nas tendencias tem que ter tambem sustentabilidade e as pessoas precisam se controlar nas “comprinhas” hehehe.
    Alemanha e um pais muito consumista, mas tem gente que esta tentando cambiar esse estilo de vida e repensar o que compra, refletir sobre o que se precisa de verdade. Assim voce nao joga fora.
    Eu acho que se precisa refletir antes de comprar.
    Eu prefiro sempre tecidos naturais, sem componentes sinteticos (algodao, linho, ramie, seda, la virgem, angora, e ate cashmir o combinacoes). Sapatos so se foram de couro o tecidos biodegradaveis. Sao coisas mais caras (voce compra so se precisar depois de refletir mesmo), mas tambem sao melhores (vestem muito bem) e cuidam o nosso planeta.
    Un beijao!
    Maria

    1. Renata respondeu Maria

      Concordo muuito com você, Maria! Temos que pensar que o problema do consumismo vai além dos nosso bolsos vazios, é algo com impacto ambiental global (:

    2. Ana Carolina respondeu Maria

      Halo Maria! Puxa, como pude esquecer de mencionar esse tópico? Até atualizei o texto. Obrigada por me lembrar de olhar pelo nosso planeta. Claro, claro!!! Brechós e reaproveitar peças do armário são propostas para quem não quer contribuir para poluir mais o meio ambiente. Concordo demais com vc sobre a questão dos materiais – e tb precisamos lembrar do uso de mão de obra escrava!

      Essa reflexão não é só por nós, mas pelo coletivo!

      Um beijo enorme,
      Ana

  13. Rose comentou:

    Ana o que fala do seu post você já disse tudo,amo o blog e amo ainda mais você Ana é engraçada mas sinto um carinho tão grande por você que palavra alguma descreveria. O que gosto em você é que vejo, verdade no que diz percebo que você é você mesma sem mascara alguma e quando leio um texto desse minha querida percebo a pessoa sensata que você é. É por isso que leioo blog e acredito na sua sinceridade belo texto e parabéns pelo post magnifico…xeru da Rose

  14. Bruna Braun comentou:

    Amei teu texto, tenho muito que aprender ainda… Mas to seguindo a linha de investir em peças usuais e que combinem com tudo a ter que comprar várias coisas! Beijo.

  15. Menina, separei uma caixa de coisas e vou dar outra olhada no guarda roupa…. Faz um tempo q tenho pensado nisso!! 🙂 Ótimo post!!!!

  16. Gabriela de Curitiba comentou:

    Querida Ana, quero contar pra vc minha história com a moda
    Quando me mudei para Curitiba, há quatro anos, reparei que as meninas daqui usavam mto jeans com botas. Logo passei aderir esta moda, afinal vinha de Brasília, cidade quente pra caramba, e as roupas que usava lá nao se adequavam mto bem ao clima e estilo da minha nova cidade. Tentei me vestir como as curitibanas por 3 anos, porém vi que estava deixando de lado algo essencial: o meu estilo. Assim, doei várias calças jeans, casacos e blusas que fugiam de quem eu era e passei a usar as roupas que usava antes, mas procurando tecidos que me aquecessem mais, por causa do frio.
    Adotei novamente minhas camisas de botão, camisetas, calças e shorts de alfaiataria, vestidos e saias, além de sandálias, muitas sandálias.
    Abandonei as calças jeans (hj tenho apenas três) que uso de vez em qdo e deixei as botas apenas para ocasioes em que nao podem ser dispensadas.
    De resto, segui meu estilo inicial e sou mto mais feliz!!!
    Claro que adotei alguns itens para fugir do frio, mas o fiz dentro do meu estilo e nao usando o que os outros esperam que eu use!
    Seu texto me inspira e somente confirma que estou no caminho certo!

    PS: Acho que penso mto como vc pois temos idades parecidas, corpos parecidos. Aliás, tenho 32.

    1. Ana Carolina respondeu Gabriela de Curitiba

      Que bacana, Gabi. Que importante vc identificar isso e se reencontrar, saber que não dá pra passar da página 2 quando a moda Não faz o nosso estilo. Um beijo!

    2. Priscila de Curitiba respondeu Gabriela de Curitiba

      Oi Gabriela, sou nascida e criada em Curitita!!! rsrsrrsr, tenho esse habito de jeans e bota, em junho e julho, principalmente em dias chuvosos não consigo fugir do habito!!!!! Mas faço o exercicio diariamente para usar outros tecidos e principalmente usar saias e shorts, vejo que eu curitibana tenho um pouco de preconceito com as roupas de calor!!!!!! estou sempre tentando me reinventar, dentro das possibilidades do meu bolso!!!!!! BJos

  17. Margô comentou:

    O que precisava ouvir!
    Parabéns e obrigada pela inspiração,um forte abraço!

  18. Diana comentou:

    E a camisa branca ja tem nova dona ? qualquer coisa me mande
    um email. abraço.
    Se vc ja vendeu pode me falar onde comprou? Achei liiiinda!!!

    1. Ana Carolina respondeu Diana

      To pensando ainda! 🙂 Comprei na Novamente, multimarcas antigona daqui do Rio, mas já tem 2 anos. Beijos!

  19. Janaína comentou:

    O que dizer? Necessário, pertinente e além de tudo bonito. Tudo isso eu vi neste post. Com a sensibilidade de sempre vc falou direto ao coração! Borá fazer faxina nos armários e na alma! Fica o que significa!
    Um beijo enorme,
    Jana

  20. Mônica comentou:

    Post inspiradíssimo! Eu gosto da sua it bag xingling.. rs..

  21. Levei um susto quando entrei no WordPress hoje e vi quantas visitas vinham daqui! Corri e me deparei com uma foto minha :’) Adorei que você deu uma lida lá no blog, Ana!
    Apesar de adorar modismos – confesso – jamais deixo o guarda roupa abarrotado de coisas que eu não uso. Guardo os clássicos, passo a frente algumas coisas e transformo outras (em modismos rs). Armário conciso é armário eficiente!
    Beijos (e obrigada!)

  22. Aline comentou:

    texto lindo Ana!
    É bom demais ter um blog assim para visitar…sempre gostei de moda, de estilo, mas eu tinha preconceito comigo mesma…sou advogada…as pessoas que convivem comigo só pensam em concurso/estudo/dinheiro. Muito chato. Eu estudo muito, mas estou buscando uma vaga em um mestrado…o tipo de estudo acaba sendo completamente diferente…a busca é outra…
    meu estilo sempre foi diferente do meio em que vivo…gosto de estudar constitucional, mas adoro moda, amo cozinhar, final da tarde, cerveja, viajar…
    Hoje eu consigo perceber que não sou fútil por gostar de moda…moda não é comprar…moda é interpretação…interpretar as pessoas, as cores, os sentimentos…é arte!
    obrigadaaa!

  23. Vanessa comentou:

    Ana é impressionante como mesmo sem te conhecer, você consegue me inspirar tanto, nossa tudo que você falou é pura verdade e retrata a crise que estou passando neste momento, tenho 27 anos e não me sinto com essa idade, porém, sinto que tem roupas que não se encaixam mais na minha vida, estou em crise com meu guarda-roupa. E blogs como o seu me inspiram e me ajudam a seguir em frente, sem pirar e estourar o limite do meu cartão de crédito.

  24. Adorei o post! Há pouco tempo atrás eu customizei um short também. Eu comprei uma calça jeans preta num brechó, só que depois que eu levei pra casa achei que ela tava meio curta, então resolvi cortá-la. Paguei para costureira fazer a barra mas sem dobrar, deixando o jeans desfiadinho. E comprei num armarinho tachinhas (não tinha spikes =/) No final eu achei bem legal! E ainda achei um modelo parecido no site Oqvestir

    Gastei: Calça no brechó 10,00
    serviço da costureira 8,00
    tachinhas 12,00

    total: 30,00 por um short lindo customizado! =)
    Quem quiser ver, pode ir no meu blog:
    http://vanessamouzinho.blogspot.com.br
    Se gostarem, peço a opinião de vocês,
    e se não gostarem falem com jeitinho pra eu não ficar triste, td bem? heheheh =DD

    beijoss

  25. Carla Regina comentou:

    Estou passando exatamente por isso.Queria peças mais elegantes,apesar de não ter tantas coisas coloridas,ainda não consegui me achar.Compro e depois qdo penso em usar,vejo q nãp foi uma boa escolha!!!!Minhasamigas gostam,pois vivo desapegando peças até com etiqueta!!Preciso ter mais consciência e consumir menos!!!Amei seu post….td q precisava p tbm tentar me fazer refletir um pouco nais antes de sair comprando.Qto ao comentário sobre o short q mencionou, decidi não comprar mais,pois as grifes acham q somos tds de 18 anos e periguetes.Tenho pernas finas e encontrar uma peça adequada é praticamente impossível.
    Adoro cada post!!Parabéns!
    Bj
    Carla

  26. solange comentou:

    Ana,
    Espere a liqui da Casual Street para os shorts mais clássicos…as lojas agora liquidão em pleno verão…é loucura comprar em início de coleção…

    bjs.

  27. bruna comentou:

    Ana, mais uma vez vc foi ao ponto principal da questão. Tb estou nessa fase de analisar minhas roupas. Pra imitar alguém ou mesmo pra tentar ser outra pessoa, acabei comprando umas peças que não tem a ver comigo e elas estão lá, encostadas. Por mais que eu tenha fugido do básico e do clássico nas minhas ultimas compras, hj percebo que eles são a minha cara, que esse é o meu estilo, que não adianta querer ser diferente. O principal é investir em peças que se pareçam conosco e essa busca pelo diferente, pelo modismo, nos faz gastar tempo e dinheiro em roupas que não combinam conosco.

    Nota mil pra vc! BJs

  28. Mila comentou:

    Realmente essa história é muito engraçada e atinge de forma diferente as pessoas. Acompanho diariamente o seu e outro blogs, isso já faz mais de um ano e me tornei tão critica na hora da compra (preço, custo/benefício/ modismo) já faz mais de seis meses que não compro nada, aproveito muito bem o que tenho, repito muito bem aquilo que mais gosto. Percebo alguns comentários falando que se tornaram consumistas eu me tornei anti-consumista, passo isso para minha filha de 7 anos, apesar da idade não ajudar muito, fase de crescimento, . E o cartão de crédito agradece. ! Beijos Adoro seu blog.

  29. solange comentou:

    …xiiiiiii…agora que eu ví que escrevi liquidão e não liquidam…

  30. tatiana gonzalez comentou:

    Oi, Ana!
    Coisa bem boa ficar uns dias off e chegar aqui com uma baita coisa boa pra ler =))) Me mudei este final de semana e transformarei um quarto inteirinho em closet (com aval e compartilhamento do maridinho, hehehe)! Se isso não fosse um sonho de infância, seria um martírio: colocar todas as minhas roupas em malas foi um baque, pois tenho um volume bem maior (BEM maior) do que sinto que uso, ou que gosto. Por que isso? Além de consumistazinha, sou (e somos muitas) um tanto agarradas nas peças, juntadoras compulsivas de roupas que um dia nos fizeram bem. Ai, ai, Ana, é chegada a hora de descobrir quais serão esquecidas nas malas e merecem ir morar noutros armários, não é mesmo?
    Um beijo pra ti que nos faz tão bem 😉

  31. Perfeito, Ana!! Simplesmente perfeito!

  32. Marina comentou:

    Nossa, que post excelente!! Preciso imprimir pra decorar isso rsrs!! Não conhecia seu blog e estou amando! Preciso mesmo de blogs assim, que ensinam a se vestir com criatividade, se organizar sem gastar rios de dinheiro em porcariadas, acabo lendo quase todo dia um blog que tem achados até que legais, mas acaba deixando a gente cega e comprando muita coisa inútil só por comprar, coisas do e-bay então.. aff , (sem contar que acho a dona do blog em questão super grossa com algumas leitoras e sem nenhuma criatividade em se vestir)
    Gostei demais do seu blog, já ganhou uma leitora!! bjos

    1. Ana Carolina respondeu Marina

      Oi Marina! Obrigada pelos elogios! Um beijo e seja bem-vinda!

  33. Oi Ana,

    Olha eu aqui outra vez! Rs!

    Eu tive que praticar a coisa do “less is more” no meu armário por conta da minha mudança. Eu morava num apê bem grande, mas mudei pra um micro (mercado imobiliário louco, a gente se vê no RJ!). O resultado: um apê sem armários, sem espaço… Não tive alternativa… Até os sapatos tiveram que ser vistos e revistos… Fiz post sobre isso (falando do meu exagero em outra matéria:maquiagem):
    http://bloglalala.com/desejos-do-dia-30/

    Outra coisa que também estou vivendo agora é que decidi que quero ter peças mais “importantes”, digamos assim. Eu me orgulho de ter meus 30 anos e não quero mais usar só camiseta e jeans. Acho legal usar peças mais bacanas, com cortes interessantes e que digam mais não só sobre minha personalidade, mas sobre o que já vivi até agora. Mal posso esperar pelos meus 70-80 anos pra pintar os cabelos de louro e usar maxi colar colorido desde o café da manhã #espíritodeHebe

    E outro aspecto desta limpa é que eu acho mesmo que passei de consumista desenfreada pra uma pessoa que vai ao shopping e consegue sair sem uma sacolinha. Gosto mais de mim assim. Me sinto mais eu! E viva eu, e viva você! E viva a gente ser dona da gente mesma!

    Beijos pra você.

    1. Ana Carolina respondeu Michelle Duarte

      <3 Beijão e VIVA!